20 de março de 2000
Home
Outras Edições
Outras Edições
Diversão e Arte
Home
Assine
Assine
Semana
Assine
Assine

Assine

Fale Conosco
Assine
Busca
 



Na trilha de Guga
O mineiro André Sá é o mais novo integrante do Brasil na Davis

Foto: Simon Press/
Washington Alves

Ele começou o ano como o número um do Brasil, ao chegar às semifinais do Torneio de Memphis, nos Estados Unidos. Não que seja tão fenomenal que tenha superado Gustavo Kuerten de uma hora para a outra. Foi a Associação Internacional de Tenistas Profissionais (ATP) que mudou as regras e fez com que os pontos de todos os tenistas ficassem zerados no fim de 1999 e ele saísse na frente de Guga. Mas o mineiro André Sá, 22 anos, também não é de dar bola fora. Nome presente em grandes torneios internacionais pelo Brasil – conquistou o ouro em duplas nos Jogos Pan-americanos de Winnipeg –, ele agora comemora mais um ponto. Acaba de ser convocado para integrar a equipe brasileira que disputará a Copa Davis entre 7 e 9 de abril no Rio, contra a Eslováquia. Fora das quadras, ele também posa de bom moço. Na quinta-feira 16, visita a Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte. Detalhe: Sá foi eleito pelo terceiro ano consecutivo o melhor tenista do Estado de Minas Gerais.

Música do mundo

Foto: Silvana Garzaro

Cantora Fortuna mistura folclore judaico e canto gregoriano em novo CD

A compositora de world music Fortuna, 42 anos, aproveita conjunções favoráveis para dar passos importantes. Não só de planetas. Na terça-feira 21, ela lança seu quarto CD com um show no Teatro Municipal de São Paulo, que coincide com a festa judaica do Purim, o dia de São Bento e a presença do papa João Paulo II em Jerusalém. Judia sefaradita de ascendência síria, ela agora juntou-se aos monges do mosteiro de São Bento, em São Paulo, para criar uma obra que mistura canto gregoriano e folclore judaico. Fortuna, aliás Fortunée Joyce Safdie, domina quatro línguas e já viajou o mundo todo. Tanto para buscar inspiração para suas composições quanto para viabilizar o festival alternativo de world music que ela dirige em São Paulo, o Todos os Cantos do Mundo, que chega a sua terceira edição a partir de 27 de abril. “Sou mesmo uma mistura, um ecletismo contínuo”, define-se.

A rainha dos desamparados
Rainha Silvia oficializa em São Paulo a criação de uma entidade de apoio a crianças em risco

Foto: Silvana Garzaro

A rainha Silvia, da Suécia, 56 anos, não veio ao Brasil apenas pular o Carnaval na Bahia. “A dignidade do ser humano é intocável”, declarou, emocionada, na terça-feira 14, em São Paulo. Ela estava formalizando a fundação da World Childhood Foundation (Fundação Mundial para a Infância), criada para desenvolver projetos de amparo a crianças vítimas de abuso e abandono. Filha de mãe brasileira e criada em São Paulo dos 4 aos 13 anos, Silvia conhece de perto nossas mazelas. “A rua não é lugar para criança, tudo isso me sufoca”, desabafou. O governador de São Paulo, Mário Covas (acima), seguiu no mesmo tom. “O nosso é um lindo País, um triste País”, proclamou, para os convidados estrangeiros. Num evento marcado pela formalidade imposta pelo cerimonial real, a presidente do Instituto Ayrton Senna, Viviane Senna Lalli (ao lado), foi o tom emocionante. Ela chorou ao relatar suas experiências com crianças desamparadas.

Dias e noites em Singapura
Mariah Carey encerra sua turnê na Ásia brincando com golfinhos

Foto: AFP

Não faltou companhia nos últimos dias de turnê da popstar Mariah Carey na Ásia. Enquanto o mundo se encanta com suas curvas, a cantora acabou invertendo a lenda amazonense do boto cor-de-rosa. No lugar de ser seduzida, acabou fazendo três espécimes do Parque Temático de Singapura caidinhos de amor por ela. A visita ao parque aconteceu no sábado 12 e, ao ver os bichinhos, a cantora não hesitou em tirar a roupa e juntar-se a eles por 45 minutos. No dia seguinte, Mariah subiu ao palco e fez seu último show no continente asiático, antes de voltar para os Estados Unidos.

A semana passada, no fim da semana
Gilberto Gil sai da folia direto para o estúdio

Foto: Correio da Bahia

Nem bem silenciaram os timbaus e Gilberto Gil, 57 anos, fechou-se no estúdio WR, em Salvador, na sexta-feira 9. Ele aproveita o período da Quaresma para terminar a gravação da trilha sonora do filme Eu, Tu, Eles, de Andrucha Waddington, que estreará em maio. Gil parece satisfeito com o resultado de sua sexta incursão pelo cinema. “Sempre gostei de fazer trilha sonora”, explica ele. O CD, sua primeira parceria com o amigo mineiro Milton Nascimento, será lançado junto com o filme.

 

Farra de R$ 500 mil

Foto: Felipe Barra

Advogado gasta tudo o que tem para comemorar os 500 anos do Brasil

O advogado brasiliense Océlio de Medeiros, 85 anos, não mediu conseqüências para comemorar os 500 anos do Descobrimento. Ele investiu cinco anos de trabalho, um investimento que já chega a R$ 500 mil e fez empréstimos a juros de 30% ao mês na construção de um navio de 20 metros de comprimento e 30 toneladas. Sua idéia é colocar a embarcação para navegar sobre o lago que banha o Plano Piloto de Brasília, a partir da quarta-feira 15. Depois, quer transformá-la em uma escola para formação de fuzileiros. Há alguns dias, ele escreveu para o presidente Fernando Henrique Cardoso. “Estou falido”, declarou.

Foto:Julio Vilela

Caloura em Nova York
Marília Pêra apresenta musical para executivos na Big Apple

Depois de fazer cursos para aprimorar o inglês, a atriz Marília Pêra, 56 anos, sentiu-se segura para finalmente aceitar o convite do produtor cubano Max Ferraz. Ela fará um musical em Nova York, palco de feras como Liza Minelli. Ainda sem nome, o espetáculo será apresentado em abril no Teatro Intar, para um restrito grupo de empresários americanos. Serão 20 composições latino-americanas. “Estou me sentindo uma caloura, que vai se apresentar pela primeira vez”, confidenciou ela.

Foto: Fabrízia Granatieri

Quem ama não tortura

Gabriela Alves passa duas horas acorrentada no palco

Há quatro anos afastada dos palcos, a atriz Gabriela Alves, 27 anos, voltou ao teatro no espetáculo O Último dos Homens, dirigido por Marcos Shetmann, no Rio de Janeiro. Gabriela surpreende por passar duas horas presa a pesadas correntes. “O pior foi durante os três meses de ensaio, em que eu ficava oito horas por dia acorrentada”, lembra. Depois de passar um ano em Nova York estudando teatro e cinema, a atriz foi convidada por Shetmann para contracenar com o ator Leonardo Franco, de quem é vítima de uma paixão incontrolável. “É a peça mais difícil que fiz na vida”, diz.

 

BoletimAssineFale ConoscoOutras ediçõesHomeBoletimAssineFale conoscoOutras ediçõesHome