Reportagens  
“Estou torcendo para ter muitas cenas de beijo”, brinca Marina,
que irá contracenar com o galã Antonio Banderas
• • •
Ensaio
Em cena Marina Mantega

Filha de Guido Mantega, presidente do BNDES, ela realiza na peça Cleópatra o sonho de virar atriz e será amante de Antonio Banderas no cinema
texto: Jonas Furtado
fotos: EDU LOPES
 Deixe aqui o seu comentário
 Envie esta matéria para um amigo
 Ensaio: a gata que largou o mercado financeiro para virar atriz
Ela é filha do presidente do BNDES, embaixadora no Brasil da ONG Best Buddies – dedicada a integrar pessoas com deficiência mental à sociedade – e já atuou no mercado financeiro. Agora, aos 24 anos, Marina Mantega realiza seu desejo de infância: ser atriz. E são logo dois testes de fogo: na sexta-feira 4, ela estreou nos palcos com a peça Cleópatra e, em março de 2006, começa a gravar Anita & Garibaldi – Guerreiros da Liberdade, filme no qual contracenará com Letícia Spiller e Antonio Banderas.

“Queria ser atriz da novela das oito, quando criança. Estou realizando um sonho. Vamos ver se gosto realmente ou não”, diz Marina Mantega. As oportunidades para seguir a carreira artística, ela conta, apareceram de surpresa e com um intervalo de menos de 24 horas. Em um dia foi chamada pelo ator e produtor Dani Monteiro para fazer Cleópatra. No outro, ao contar sobre a peça para o roteirista e produtor Vitor Lustosa, recebeu dele o convite para ser a amante do personagem de Antonio Banderas na telona. “Estou torcendo para ter muitas cenas de beijo”, brinca.

Nas três semanas anteriores à estréia no palco, Marina ensaiava doze horas diárias com o resto do elenco. Ansiosa e determinada, ela diz que não pensa em outra coisa ultimamente – e nem sempre são pensamentos positivos. “A gente sempre acha que vai fazer feio, né?”, admite ela, que tem 265ml de silicone em cada seio e pesa 57 quilos – emagreceu sete desde o início do ano. A insegurança e o bom senso fizeram com que trocasse um papel maior em Cleópatra por uma participação especial – que não inclui nenhuma fala. “Quando comecei a ensaiar, percebi que estava dando um passo maior do que a perna. Pedi para o diretor Marcelo Saback um papel menor e ele concordou comigo. Tive muito pouco tempo de ensaios”, afirma.

Os pais – o economista Guido Mantega e a agente de intercâmbios Lavínia Cardim, separados há 21 anos – não escondem que preferiam ver a filha seguir carreira no mercado financeiro. Ela já foi trader internacional do Bradesco e estagiou na Bovespa, na Bolsa de Mercadorias & Futuros e na corretora Liquidez. “Se eu falasse que ia fazer artes cênicas, tenho certeza de que eles não iriam gostar”, diz Marina, que trancou a faculdade de administração e preferiu contar as novas para Guido e Lavínia quando tudo já estava bem encaminhado. “Marina nunca anunciou nada. Ela tem uma personalidade muito forte, vai fazendo e conta depois”, revela a mãe. O apoio da família, no entanto, está garantido, seja qual for a escolha. “Tudo o que a gente quer é vê-la feliz”, completa.

Guido e Lavínia sempre foram a principal referência de Marina. Ela sa-be que ser filha de um homem de confiança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva requer atenção especial com as palavras e atitudes. “Tudo que falo pode respingar em meu pai. Ele é muito sério, tomo cuidado para que não fique bravo com minhas entrevistas”, afirma Marina, que chegou a conviver com Lula antes de ele se tornar presidente. “O Lula freqüentava minha casa. Agora, não mais.”
É também pelos pais que ela não descarta uma volta ao mercado financeiro e continua à frente da ONG Best Buddies no Brasil.
Marina não vê problemas em tocar mais de um projeto profissional simultaneamente. “Se você é competente, pode fazer tudo ao
mesmo tempo.”

Produção: Camila Cury, Bianca Cury, Patrícia Nese (Imagem Consultoria); Cabelo e make up: Adilson Vital/Metamorphose Agência; Agradecimentos: Clube Chocolate, Daslu, Cris Barros, Sapatos Pollignannoae’ mare, Guaraná Brasil, Freshy Spa & Outfits, Café de La Musique