Reportagens  
 Deixe aqui o seu comentário
 Envie esta matéria para um amigo
 Álbum: fotos do arquivo pessoal de Ana
 Ensaio: a elegância e a alegria da modelo
Capa
O florescer de Ana Hickmann

Raro caso de bem-sucedida modelo convertida
em apresentadora de tevê, Ana ganha mais hoje
do que nos tempos de top, leva pela primeira vez
uma vida de casal com o marido e fala da relação conflituosa com o pai
texto: Jonas Furtado
fotoS: EDU LOPES
A cena aconteceu há pouco mais de um ano, quando Ana Hickmann dava os primeiros passos na Record. A palavra “pentelho” – uma gíria para chato – foi pronunciada no ar, em alto e bom som, com toda a naturalidade pela modelo convertida em apresentadora de um quadro do programa Tudo a Ver, comandado pelo veterano Paulo Henrique Amorim. A bronca não tardou. “O Paulo me chamou depois e disse com aquela cara: ‘Você não pode falar essa palavra porque em outros lugares isso significa outra coisa’”, diverte-se Ana, ao lembrar do nervosismo e da insegurança do início. “Hoje preciso pensar muito mais no que vou falar”, completa ela, que há dois meses foi promovida e agora comanda o matinal Hoje em Dia, com o jornalista Britto Jr. e o chef Eduardo Guedes, marido da apresentadora Eliana. Na atração, ela também comenta reportagens de moda e comportamento.

‘Não sabia se ia dar certo, se o público ia me aceitar, se a emissora ia gostar de mim, se eu era uma louca. Vim com a cara e a coragem’

Com oito anos de sucesso como modelo, a reviravolta pro-fissional de Ana Hickmann só trouxe boas novas. Ela construiu uma alternativa à breve carreira nas passarelas, está mais perto da família e ganha mais. Somados o salário que recebe da Record (em torno de R$ 120 mil mensais), direitos de imagem, publicidade e faturamento com merchandising e licenciamentos, ela embolsa mais do que nos tempos de top – hoje os trabalhos são esporádicos. A volta ao Brasil também permitiu que Ana explorasse melhor sua porção empresária. O primeiro licenciamento com seu nome foi uma linha de sapatos da Vizzano, em 1999 (ela tem contrato com a grife até 2008). Hoje, são oito os produtos sob a marca Ana Hickmann, mercado que movimenta R$ 150 milhões por ano e também inclui biquínis, óculos, máquinas fotográficas, jeans e malharias, roupas de fitness, guarda-chuvas e cosméticos para profissionais.

“Não é que a televisão abriu portas para Ana. A tevê escancarou. As vendas explodiram. No mês passado, foram vendidos 140 mil pares de sapatos Ana Hickmann”, afirma Alexandre Corrêa, 33, marido dela há sete anos – é ele quem gerencia a carreira de Ana. Se a apresentadora esbanja simpatia, a empresária é mais agressiva. “Sou chata, exigente e perfeccionista. Participo de tudo, da parte de criação e desenvolvimento até a aprovação final da maioria dos produtos”, diz.

Ela não fala com o pai há mais de dois anos: “Somos completamente diferentes. Sou supercertinha, politicamente correta, e ele nunca foi do mesmo pensamento”, diz

Trabalhar na tevê, sonho atual de nove em cada dez modelos, nunca havia passado pela cabeça de Ana. Por isso, quando assinou com a Record, ela tinha dúvidas. “Não sabia se ia dar certo, se o público ia me aceitar, se a emissora ia gostar de mim, se eu era uma louca. Vim com a cara e a coragem”, diz ela, que deixou para trás seis anos de carreira em Nova York. Para o presidente da Record, Alexandre Raposo, Ana já justificou as apostas da emissora: “Ela é uma estrela da casa. Vem correspondendo às expectativas e ainda vai evoluir muito”. A aprovação do público sepultou de vez as inseguranças. “Televisão é o que quero fazer para o resto da vida”, afirma. Ana teve de trocar horários e esquecer velhos hábitos, como passear no shopping. Só não deixou de ir ao supermercado, onde o assédio, ela diz, é mais light.

Isto é Ana Hickmann

Ídolos: Hebe Camargo e Oprah Winfrey

De quem não gosta: George Bush

Filme preferido: E o Vento Levou

Pior filme que já assistiu: Reencarnação, com Nicole Kidman

Superstição: Faço o sinal da cruz antes de entrar no ar ou na passarela

Quando chorou pela última vez: Ah, choro muito, sou manteiga derretida. Mas choro escondido, não na frente dos outros

Voltar a morar no Brasil também possibilitou a Ana ter com o marido, pela primeira vez, uma rotina de casal. “Agora a gente consegue jantar juntos, dormir na mesma cama. Alexandre acorda às 5h30 comigo e prepara meu café enquanto tomo banho. É meu companheiro do começo ao fim.” Ele também está feliz por tê-la por perto. “Já cheguei a ficar quarenta dias sem vê-la. Você tem a impressão de que a mulher não é mais sua, até o cheiro dela você esquece. Passam milhões de coisas na sua cabeça, até que ela poderia estar com outro”, confessa Alexandre, que não mede elogios à postura da esposa. “Playboys, trilhardários e esportistas assediaram minha mulher. O maior mérito de Ana é ter vencido sozinha, sem precisar namorar um famoso. Ela freqüentou as altas rodas de Nova York e venceu com seu marido anônimo”, diz.

Filhos estão nos planos do casal, mas o momento é de dedicação total ao trabalho. “Tenho só 24 anos. Como pessoa, como mulher, não estou preparada. Adoro família grande, bagunça. Não consigo ter casa vazia, não gosto”, diz Ana, a mais velha dos quatro filhos de João Hickmann e Reni Saath, que estão separados há 12 anos.

A relação com o pai talvez seja a única má notícia em tempos tão prósperos. Ana nunca se deu bem com João – hoje ela prefere nem mencionar o nome dele – e os dois não têm nenhum contato há mais de dois anos. “Somos completamente diferentes. Sou supercertinha, politicamente correta, e ele nunca foi do mesmo pensamento. Nesse ponto, sempre divergimos bastante”, conta a apresentadora, que afirma não pensar mais em procurar o pai para resolver as diferenças. “Já fiz isso várias vezes e todas deram na mesma. Se um dia a gente tiver que voltar a se falar, vai ser. Mas enquanto ele não mudar o posicionamento dele, a maneira de ser, de viver, isso não vai acontecer.”

Tratamento Fotográfico: Claudio Ishii; Produção: Camila Cury, Bianca Cury, Patrícia Nese (Imagem consultoria); Cabelo e make-up: Adilson Vital/Metamorphose Agência; Agradecimentos: Clube Chocolate, Daslu, Cris Barros, Estrada da Parada Comercio de Peças, Aparas Villena Ltda