Reportagens  
“Minha idéia é valorizar os atores latinos aqui em Hollywood, que normalmente só pegam papéis secundários”, diz Frederico
• • •
Sucesso
Um brasileiro em Hollywood

Sócio de duas produtoras de filmes nos Estados Unidos, Frederico Lapenda quer abrir mercado para latinos e trabalha em produção a ser estrelada por Luciano Szafir
texto: Claudia Jordão
foto: Wellington Cerqueira
 Deixe aqui o seu comentário
 Envie esta matéria para um amigo

Em meados dos anos 80, o pernambucano Frederico Lapenda imaginava seu futuro enquanto ouvia nas rádios o hit “Garota, eu vou para a Califórnia/Vou ser artista de cinema/O meu destino é ser star”. Hoje, aos 36 anos, ele pode dizer que seus sonhos não eram apenas divagações. Frederico trocou Recife por Los Angeles, onde mora há 19 anos, e trabalha em Hollywood. Com o objetivo de abrir espaço para atores latinos em filmes americanos, através de sua produtora Paradigm, Frederico assinou a produção de seu primeiro filme, Bad Guys, que deve estrear lá e no Brasil em novembro. Além disso, está em fase de pré-produção de O Homem do Pesadelo, que terá Luciano Szafir como um psicopata.

“Minha idéia é valorizar os atores latinos em Hollywood, que só costumam pegar papéis secundários. Há 40 milhões de latinos nos Estados Unidos e eles estão na moda”, conta ele. “O Frederico é um desbravador. Estou adorando a idéia de fazer um filme fora do Brasil”, diz Szafir. Frederico decidiu mudar de país aos 18 anos, três anos depois de ficar órfão de pai. Quando armou a viagem, enfrentou a oposição da mãe. “Acho que nem a mala da casa ela me deixou usar”, conta. Para viajar, ele vendeu o carro e a moto. Demorou quatro anos para voltar ao Brasil para visitar a família.

Quando chegou aos EUA, Frederico fez faculdade de cinema e começou a produzir shows de lutas marciais em parceria com a família Gracie – brasileiros que popularizaram o jiu-jítsu por lá. “Sabia que esses shows seriam um trampolim para Hollywood. Todos os artistas queriam conhecer os lutadores. Conheci Jean Claude Van Damme, Steven Segal e Chuck Norris”, diz. Conheceu também o lendário Peter Guber, dono da produtora Mandalay, uma gigante. Foi contratado por Guber para produzir programas de tevê. Além da Paradigm, recentemente se tornou sócio do braço de filmes independentes da produtora, a Mandaley LR. “A minha história é prova de que pensamento positivo existe.”

Agradecimento: HOTEL MAKSOUD PLAZA