Celebridade  
Jayme de Carvalho Jr.

Em 1959, Sérgio Britto e Nathália Timberg protagonizaram Pancada de Amor, uma das 400 peças encenadas no Grande Teatro Tupi. No dia 31 de maio, os atores se reencontraram em São Paulo, na abertura da exposição que resgata os tempos heróicos dessa atração. “Fazer uma peça ao vivo por semana era um trabalho louco, que infelizmente não vai se repetir”, diz Nathália

 
• • •

Sérgio Britto e Nathália Timberg

por Diógenes Campanha

Divulgação

Às segundas-feiras, entre 1956 e 1965, praticamente todas as televisões do Rio de Janeiro ecoavam um único som às 22h30: a música Limelight, prefixo que anunciava o início do Grande Teatro Tupi. A recordação é da atriz Nathália Timberg, uma das estrelas do popular teleteatro, líder absoluto de audiência na época. Na foto acima, ela aparece contracenando com Sérgio Britto, galã e idealizador do projeto, na peça Pancada de Amor, de Noel Coward, exibida em 1959. “Se não houvesse o Sérgio, o programa não teria durado tantos anos. Com o pique que mantém até hoje, ele era a alma do Grande Teatro”, diz ela. Os dois eram testemunhas de situações cômicas que, involuntariamente, iam para o ar, já que a atração era ao vivo. “Quando fizemos La Bohème, eu usei umas saias enormes de época e, quando fui sair de cena, a roupa enganchou e eu carreguei o cenário junto”, lembra. Dividir o palco com Britto, um dos grandes galãs da época, tinha seu preço. “Já levei muito desaforo de mulheres que achavam que tínhamos um caso”, conta Nathália. “Fernanda Montenegro também fazia par com ele, mas, como era casada, todo mundo falava de mim.” Na terça-feira 31, Nathália, Sérgio, Fernanda, Ítalo Rossi e o dramaturgo Manoel Carlos, responsável por grande parte dos textos, encontraram-se em São Paulo, na abertura da exposição Na Caixa – O Grande Teatro Tupi, que reúne fotos dos teleteatros, cujas fitas não foram preservadas. “O programa ficou na memória de quem teve a oportunidade de vê-lo. É emocionante relembrar esse momento tão lindo”, diz a atriz. .