Reportagens  
 Deixe aqui o seu comentário
 Envie esta matéria para um amigo
Revelação
Sem culpa no cartório

Amanda Lee conta como driblou a vigilância do pai para trocar o projeto de ser juíza pela carreira artística e diz que quer casar de véu e grinalda
texto: Clarissa Monteagudo
foto: George Magaraia
Ela namorou Rafael Calomeni e Marcos Palmeira. “São passado. Se acabou, não era amor. Eu acredito que amor é uma vez só e para sempre”, diz Amanda, que há um ano namora o empresário Henrique Brandão Júnior
O melhor palco de Amanda Lee, 26 anos, é a praia. Nascida em Copacabana, passou a adolescência torneando o corpo nas partidas de futebol de areia enquanto cultuava o estilo de vida de Miami, um dos destinos de viagem preferidos da família. Nos sonhos do pai, o funcionário público aposentado Antônio Mendes, a filha caçula brilharia à frente de um tribunal, como juíza. A irmã mais velha, Luciene, hoje com 40 anos, já cumprira seu papel. Formara-se em Medicina. Aluna do tradicional colégio de freiras Sacré-Coeur de Marie, no Rio, Amanda resolveu aos 17 anos romper os padrões e anunciou que não estudaria Direito. Seria atriz. “Eu me sentia a pior pessoa do mundo. Chorava muito e não queria mais estudar”, lembra. Matriculada no mais caro curso pré-vestibular da cidade, Amanda abandonou o cursinho e usava o dinheiro das mensalidades para custear o curso de teatro. Antônio descobriu o fato quase um ano depois, quando foi buscar a filha no cursinho. “Meu pai cortou minhas regalias, carro, mesada, tudo”, lembra.

Duas semanas depois, apareceu a primeira chance. Amanda recebeu convite para um teste numa agência de publicidade. Foi aprovada e seu biotipo lhe abriu portas. A primeira oportunidade na tevê surgiu num teste para a novela Coração de Estudante. Ganhou um papel pequeno, e só conseguiu projeção ao aparecer sensualíssima como índia na minissérie A Casa das Sete Mulheres. As cenas de nu, dirigidas por Jayme Monjardim, são motivo de orgulho. O papel de mulher sofrida em Como uma Onda ela tem tirado de letra. “A Amanda me surpreendeu. Ela é uma atriz lacrimejante, emotiva. Nas cenas mais difíceis, a bola sempre voltou”, diz Kadu Moliterno, parceiro de cenas na novela.

Hoje, Amanda reconquistou a admiração da família pelo seu trabalho. Tradicional, ela só ousou mesmo na profissão. Namora há um ano o empresário Henrique Brandão Júnior e seu sonho é se casar de véu e grinalda. Amanda não gosta nem de comentar os antigos namoros com famosos, como Rafael Calomeni e Marcos Palmeira. “São passado. Se acabou, não era amor. Acredito que amor é uma vez só e para sempre”, diz a atriz, assumidamente careta. Na profissão, seu lema é ir devagar, e sempre. Quer seguir os passos de Letícia Spiller, outra mulher bonita que lutou para provar conteúdo. Assim como a colega, escolheu o diretor Moacyr Góes para conduzir seus passos no teatro. “É preciso manter os pés no chão. Não quero dar passos maiores do que minhas pernas e cair”, diz a atriz, que no momento ensaia a peça Chapéu de Sebo.