Entrevista  
Murillo Constantino
Gisele prestigia o pai no lançamento de seu segundo livro em São Paulo, na sexta-feira 29: “Se não fosse ele, eu não seria quem sou”, diz ela
• • •
• • •
Valdir Bündchen
‘‘Gisele é muito mais que filha’’
O pai da top lança livro, fala da carreira da filha, elogia
Leonardo DiCaprio e se emociona ao recordar do Natal que escreveu cartas porque não podia presentear as meninas
texto: Luciana Franca
fotos: claudio gatti

“Tudo o que aprendi na vida foi o meu pai que me ensinou. Se não fosse ele, eu não seria quem sou”, disse Gisele Bündchen no lançamento do livro do pai Valdir Bündchen numa livraria em São Paulo, na sexta-feira 29. Não são meras palavras carinhosas de filha orgulhosa. Gisele realmente chegou ao topo seguindo os ensinamentos do pai, um consultor de empresas de 56 anos. Há dez anos, quando surgiram as primeiras propostas para que uma de suas seis filhas virasse modelo, Valdir, pós-graduado em Marketing e em Gestão, debruçou-se num estudo de perfil para identificar se Gisele tinha aptidão para a carreira. Após certificar-se da vocação dela e fazer a agência de modelos preencher questionários esclarecendo por que o mercado precisava de alguém como ela, sentiu-se mais seguro em deixar a garota de 14 anos sair da pequena Horizontina (RS) para morar em São Paulo. As reflexões de Valdir foram transformadas em seu primeiro livro Como Construir a Si Mesmo, lançado em 1997, e ajudaram as outras filhas – Raquel, Graziela, Patrícia, Gabriela e Rafaela – a também encontrar seus caminhos. Hoje Valdir cursa Sociologia e lançou com o historiador Jacob Petry O Enigma da Mudança – Mudar é Romper (Editora AGE, 152 págs., R$ 29), que une romance e filosofia.

Do que trata neste livro?
Não sou escritor, apenas compartilho exemplos de vida. Achei que criar um romance seria uma forma light para passar uma mensagem. Jacob criou os três personagens que vivenciam esse mundo dos intangíveis. O livro também aborda Habermas (Jürden Habermas), um filósofo contemporâneo que expõe a importância do diálogo.

O senhor dá conselhos para suas filhas?
Sou um sinalizador. Cuido para não dizer o que elas devem fazer. Se não vão dizer: “O senhor mandou fazer isso e por isso não funcionou”. Sinalizo o contexto e deixo elas fazerem suas escolhas, até de namorado. Não interfiro em nada. Mas quando sou perguntado, dou a resposta com transparência.

Como é ser pai da modelo número um do mundo?
É honroso, é maravilhoso. Tudo o que um pai quer é que o filho esteja feliz. Me perguntaram o que eu senti quando vi Gisele no Oscar. Sinceramente, do fundo do coração, só me perguntei se ela estava feliz. Ela deve ter passado pela ansiedade e depois pelo momento de frustração (quando o namorado Leonardo Di Caprio não ganhou o prêmio de Melhor Ator). A preocupação dos pais não é só saber onde o filho está, mas como está.

Como lida com o fato de ter uma filha excepcional dentro de casa onde tem outras cinco meninas?
A gente não precisou fazer nada sobre isso. Cada um entendeu que tinha uma aptidão diferente. Tanto que nenhuma quer ser o que Gisele é. Todo mundo tem o seu papel. Uma quer ser advogada, outra é juíza, uma é professora. Temos de tudo. O importante é que elas se ajudem nessas diferenças. A Gisele é muito querida com as irmãs. Tente imaginar ser criada numa família tão grande e de repente se ver sozinha. Ela tem sempre muita saudade.

Foi tranqüilo mesmo para a Patrícia, que é gêmea de Gisele?
Elas têm uma identificação muito forte. Patrícia sofreu com a distância, mas hoje tem seu namorado e sua vida. Este ano, ela começou a cuidar da organização e da retaguarda da irmã. Ela formou-se em Relações Publicas e tem condições de fazer o trabalho. Essa é uma outra preocupação, que ninguém criasse dependência uma da outra. A hora que pudessem formar um time, não teria problema, mas cada uma dentro da sua aptidão.

Ao que atribui o fato de Gisele ter conseguido tanto sucesso?
Acho que não é um fato único, é uma somatória de fatores favoráveis. Sorte é quando a oportunidade encontra preparo. Se não houvesse aquele momento para aquele tipo de pessoa, talvez ela não tivesse alavancado tanto. Mas como era um momento de mudança e o mundo estava precisando de uma pessoa assim, ela estava pronta. Ela tem luz própria e uma disciplina fantástica. Corre atrás dos seus sonhos, dos seus projetos e sabe o que quer. Percebe claramente o que precisa ser feito. Ela tem essa graça de Deus, essa aptidão que enxerga o óbvio antes da média (das pessoas).

Ela já demonstrava essas características quando criança?
Ela sempre foi uma criança lutadora. Gisele sempre foi de defender as outras duas irmãs que iam com ela na aula. Ela era a mais alta.