Celebridade  
Prensa Três
Em 1965, Walmor Chagas contracenou com Eva Wilma (atrás dele, na foto acima) em São Paulo S/A, de Luís Sérgio Person. O filme lhe rendeu elogios do espanhol Luis Buñuel, durante uma participação no Festival de Acapulco. Completando 55 anos de carreira, o ator está em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, com a peça
Um Homem Indignado
Claudio Gatti
 
• • •

Enviar para um amigo
Leia colunas anteriores

Walmor Chagas

por Diógenes Campanha

A estréia de Walmor Chagas no cinema aconteceu em 1965, quando interpretou o empresário Carlos em São Paulo S/A, de Luís Sérgio Person. Com os cabelos ainda pretos, coisa que os espectadores mais novos não tiveram a oportunidade de conferir, ele viveu um jovem que tentava enriquecer com o boom da indústria automobilística no Brasil e acabava enfrentando uma crise no casamento. Foi a primeira vez que Walmor trabalhou ao lado de Eva Wilma, mais bonita que nunca no papel de mulher do protagonista e com quem ele aparece andando de lambreta, na foto ao lado. “Ela era uma pessoa dócil e extremamente profissional”, diz Walmor sobre a colega, com quem viajou para representar o filme no Festival de Acapulco. No badalado balneário mexicano, sua atuação foi elogiada pelo cineasta espanhol Luis Buñuel, durante um passeio na praia. “Estávamos de calção, em baixo de um guarda-sol, bebendo com outras cinco ou seis pessoas”, lembra Walmor, que diz ter aprendido a beber cerveja com o diretor. “Ele abria a lata e colocava sal e limão.” A estréia promissora – e elogiada – parecia pressagiar que o ator finalmente realizaria o sonho de uma carreira no cinema, mas o prognóstico não se confirmou. Aos 74 anos, 55 deles dedicados às artes, Walmor se considera membro de um grupo de profissionais que fizeram “menos filmes do que o Brasil merecia” e é maislembrado pelo trabalho na televisão e no teatro. Atualmente em cartaz com a peça Um Homem Indignado, ele faz um balanço positivo de sua trajetória. “Fiz uma carreira brilhante. Escolhi bem meu repertório, entrei em projetos que traziam crescimento cultural e agora estou no palco, colocando minha experiência para fora”, diz.