Celebridade  
Renato Velascp
Ao lado de Bibi Ferreira, Herval Rossano desembarcou em Fortaleza em 1956, para uma turnê da companhia teatral dirigida por ela. Galã da trupe, ele também viveu um romance com a atriz. Atualmente, Herval é um dos diretores mais respeitados da tevê e, na Record, comanda a novela
A Escrava Isaura.
Divulgação
 
• • •

Enviar para um amigo
Leia colunas anteriores

Herval Rossano

por Diógenes Campanha

Em 1956, Herval Rossano chegava em Fortaleza com a companhia teatral de Bibi Ferreira, em um flagrante de uma época que ficou eternizado na foto ao lado. Atrás deles, o DC-3 Caravelle, avião com capacidade para apenas 28 passageiros, que os transportava pela turnê ao redor do País, quando apresentavam um repertório de peças, que incluía clássicos como Senhora, de José de Alencar. “Percorri o Brasil de norte a sul com a Bibi e o Procópio Ferreira. Ficamos 15 dias em Fortaleza, apresentando um espetáculo por dia”, lembra Herval. Ele havia se juntando ao grupo depois de ter trabalhado com Dercy Gonçalves. Procurando emprego, foi até a casa de Bibi. “Ela estava grávida e disse: ‘Agora eu não posso, garoto, mas aparece daqui uns seis meses’”, conta ele, que seis meses depois foi chamado pela atriz para fazer parte da companhia. Herval começou como terceiro galã, mas logo foi ganhando espaço e conseguiu papéis principais.

Ele também conquistou o coração de Bibi, mas evita falar sobre o relacionamento amoroso que tiveram. Mesmo assim, não deixa de elogia-la como parceira de palco. “Bibi era uma diretora em cena.

Às vezes, ela me regia, batendo com o pé no tablado. Com isso, ia me corrigindo, quando perdia o ritmo”, diz ele. “Nem todo mundo tem essa sorte que eu tive, de trabalhar com um gênio.” Em 1958, Herval trocaria a vida de galã pela direção de programas e novelas na televisão, levando para a nova função os ensinamentos dessa época no teatro. “Com Bibi e outros mestres, aprendi que o ritmo de toda cena é dado pelo diretor. Sempre fui dirigido pelos donos de companhia e agora, na tevê, me faço o dono da companhia”, diz ele, hoje à frente de A Escrava Isaura, sucesso da Record.