Reportagens  
‘Às vezes é bom ir a uma boate dançar, mas meu foco tem sido cada vez mais a minha carreira, é nela que eu me divirto’
Letícia Sabatella
• • •
Capa
Uma nova Letícia Sabatella em cena

continuação
Engajada politicamente, defensora do MST, ela
não faz mais comerciais. “Tomo cuidado para
não fazer do dinheiro uma prisão”, diz
A atriz também desistiu de fazer comerciais. Tinha crise de consciência toda vez que fazia, até que decidiu abrir mão do dinheiro em troca da própria paz. A postura se encaixa em uma das características mais marcantes de Letícia: o engajamento político. Isso explica a participação em várias atividades do Movimento dos Sem-Terra, como a inauguração de uma escola rural em Guararema (SP), há três semanas, e a defesa do líder do MST, José Rainha, que chegou a ser preso por porte de armas. “Há uma busca de criminalização do movimento, mas se você analisar todo o contexto, o Rainha é inocente”, afirma. Ela é uma ferrenha incentivadora da reforma agrária no País: “Se alguém quer ficar protegido na zona sul do Rio também tem que apoiar. Morar atrás de grades e andar em carros blindados não é vida”.

Freqüentadora do Fórum Social Mundial de Porto Alegre, Letícia provocou uma movimentação inusitada da polícia gaúcha esse ano, quando participava de um seminário com a presença da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. “Tivemos que chamar a PM para ela ser liberada da multidão que a abordou. E é quase sempre assim. Estamos sempre juntos nessas manifestações pela paz, e é impressionante como todos querem falar com a Letícia”, conta o teólogo Leonardo Boff , amigo da atriz e um dos idealizadores da Teologia da Libertação. “A Letícia é despojada e sem vaidade. Ela tem intimidade com Deus.”

A dedicação ao trabalho é outra marca da mineira que chegou ao Rio aos 19 anos, em 1991, para estrear na Globo no especial Os Homens Querem Paz, dirigido por Luiz Fernando Carvalho. A produção é sempre lembrada pelo diretor quando o assunto é Letícia Sabatella. Como a atriz ganhou fama nacional ao interpretar a Taís da novela O Dono do Mundo, de Gilberto Braga, muita gente acha que esse foi seu primeiro trabalho. “Tive o prazer de lançar a Letícia na tevê. Ela é uma artista excepcional, genuína. Alguém que, diante do mundo, reage e atua conscientemente”, afirma o diretor.

Uma das provas de sua decantada consciência, o documentário sobre os índios Krahô, feito em parceria com Gringo Cardia, ainda não está pronto e não tem prazo de lançamento. Mas Letícia poderá ser vista em breve no cinema, como a Lúcia de Vestido de Noiva, a peça de Nelson Rodrigues filmada pelo filho do dramaturgo, Jofre Rodrigues. A julgar por essa nova Letícia Sabatella em cena, muitos outros trabalhos virão. “Às vezes é bom ir a uma boate dançar, mas tenho dançado nos meus trabalhos”, diz a atriz. “Meu foco tem sido cada vez mais a minha carreira, é nela que eu me divirto.”

Estilo: Ana Hora
Produção: Giulia Hora Roly
Maquiagem: Margareth Dantas com produtos Lâncome
Agradecimentos: Lurdinha Noyama para Espaço Lundgren, Angela Carvalho para Espaço Lundgren, Eduardo Ferreira para Espaço Lundgren, Sara Chofakiam para Espaço Lundgren Domitila.

Comente esta matéria