Reportagens  
Fotos: Brainpix
Daniella e Ronaldo deixam o hotel Plaza Athénée, em Paris: calça jeans e camiseta no caminho para o Castelo de Chantilly
• • •

cifras do enlace

•O custo estimado do casamento foi de 500 mil euros (R$ 1,750 milhão)

•60 Audis fizeram o transporte dos 250 convidados dentro dos 7.800 hectares do terreno

•O castelo possui 1.000 pinturas, 2.500 desenhos e 30.000 livros entre outras obras

•O aluguel do castelo custou 20 mil euros (o seguro podia chegar até 7,6 milhões de euros) para usá-lo das 18h à 1h. A festa foi até as 6h e a multa por hora era de 10% do valor do aluguel

• • •
Capa
Noiva nervosa
Noivo encantado

Em cerimônia marcada por ausências – como as da mãe da noiva, do mais fiel assessor de Ronaldo, e de astros do Real Madrid – Daniella expulsa a namorada de convidado da festa e Ronaldo chora no altar
Leia também: O barraco no castelo
texto: Daniela Mendes e Rodrigo Cardoso
Colaboraram Carla Felícia,
Luciana Franca e Rosangela Honor

Enviar para um amigo

Fotos: Brainpix
O Castelo de Chantilly e o convite: a festa custou R$ 1,75 milhão, mas nem todo mundo apareceu
Era para ter sido uma noite de sonhos, um casamento de princesa, mas a festa de Ronaldo e Daniella Cicarelli ficará marcada por uma série de nãos. A cerimônia foi não-oficial – o noivo está se divorciando –, não compareceram pessoas importantes, como a mãe da noiva, Sueli Cicarelli, e amigos de Ronaldo, como seu assessor Rodrigo Paiva. A imprensa não era bem-vinda e a noiva não demonstrou simpatia às vésperas do enlace em suas últimas aparições públicas. A noite teve até barraco (leia mais): Daniella expulsou da festa a namorada do empresário Álvaro Garnero, Caroline Bittencourt, que é sua desafeta, não havia sido convidada e entrou escondida no castelo de Chantilly, a 45 minutos de Paris, onde foi a cerimônia.

O esquema de segurança era reforçado e não devia em nada à rígida imigração norte-americana pós 11 de Setembro. Os cerca de 250 convidados que chegavam para o evento deixavam os carros próximos do castelo e uma frota de Audis prateados os transportava até a capela para a cerimônia religiosa. Ao descer, passavam por uma primeira vistoria e tinham de apresentar o convite e um documento de identidade. Mais adiante, a segunda vistoria com a mesma exigência. Ao final da cerimônia, os convidados eram levados de Audi para o castelo. Na entrada, recepcionistas de tailleur preto e seguranças.

Fotos: Brainpix
O Castelo de Chantilly e o convite: a festa custou R$ 1,75 milhão, mas nem todo mundo apareceu

Lá, nova vistoria: as mulheres tiveram suas bolsas revistadas e os homens foram submetidos a detectores de metal. “Teve um rapaz que sacou uma câmera digital e fez uma foto. De imediato, dois seguranças se aproximaram e disseram: ‘Ou você apaga a foto ou tomamos a sua máquina’”, conta a empresária Donata Meirelles, que foi à festa sem o marido, Nizan Guanaes, que estava gripado.

Na galeria onde ficavam as pinturas e foi servido o jantar, a turma comentava as ausências. David Beckham, que ficou com a esposa prestes a dar à luz o terceiro filho, Zidane, que participou de um jogo em prol das vítimas do tsunami, o ministro Gilberto Gil, entre outros. “Tem poucos brasileiros”, comentou Suzana Gullo. A ausência mais comentada foi a do braço direito de Ronaldo, Rodrigo Paiva. Rodrigo ficou afastado da organização do evento, porque não se dá bem com Daniella Cicarelli. “As pessoas acham que eu tenho problemas com a mulher do Ronaldo, mas não tenho”, diz Rodrigo. “Não estou brigado com Ronaldo. Não fui ao casamento porque não estava com disposição para ir. Vim da China para Paris, estava confuso, a coisa do fuso horário, são 13 horas de diferença. Deu cinco da tarde eu estava com muito sono”, completou. Sabe-se que Rodrigo ficou chateado com o tratamento dado à imprensa, que ficou na porta do castelo num frio abaixo de zero. Em comunicado à agência EFE, Ronaldo negou veementemente que tivesse vendido a exclusividade da cobertura do casamento para a revista espanhola Hola! por 400 mil euros.

Apesar de tudo a festa, organizada pelas irmãs Bia Aydar e Fernanda Nigro, foi linda. A capela onde aconteceu a bênção do Padre Maria estava decorada com rosas brancas, as preferidas de Ronaldo. A noiva entrou ao som da marcha nupcial e na seqüência uma cantora e uma orquestra de cordas entoaram “Ave-Maria”. Não havia dama-de-honra, mas os noivos trocaram alianças. O jogador, emocionado, chorou bastante. “A Daniella se segurou, dava risada, ela é mais menina”, contou Donata. Os padrinhos foram os pais do noivo, o pai e a mulher da noiva, o presidente do Real Madrid e esposa, o ex-presidente da Inter de Milão e esposa, o irmão de Ronaldo, Nelinho e Bia Aydar, e um agente dele na Europa e a mulher.

Daniella estava estupenda, num vestido de cetim branco Valentino, com renda na barra e na manga tule cumprida e quase transparente. O cabelo à meio rabo, preso em cima e solto atrás sustentava o véu de duas camadas (curto em cima e comprido embaixo) e ficou ao natural durante a festa. Após a cerimônia, Ronaldo agradeceu em espanhol e italiano a presença de todos. Daniella fez os agradecimentos em português. Depois do jantar, o som do grupo mexicano Maná embalou os convidados. A festa foi até às 6h da manhã com o set do DJ inglês Fatboy Slim. Os noivos deixaram o castelo de manhã e seguiram para o Plaza Athenée, onde brindaram, enfim, sós.

Comente esta matéria