Reportagens  
Filha de uma dona de casa
e do gerente de uma empresa ferroviária, ela ganhou um
prêmio de US$ 250 mil ao ser
eleita miss Universo
• • •
“Sempre quis vir ao Brasil no Carnaval. Desde que desembarquei, desfilar foi a minha maior emoção’’
Jennifer Hawkins
Revelação
Espetáculo de Miss

De passagem pelo Brasil, a australiana Jennifer Hawkins,
miss Universo, desfila em escola de samba, experimenta
feijoada e caipirinha, é recebida pelo vice-presidente
e conta que por causa dos compromissos profissionais
não tem tempo para namorar
Claudia Jordão

Enviar para um amigo

Ela foi recebida pelo vice-presidente da República, José Alencar, tomou café da manhã com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, desfilou de biquíni no carro abre-alas da Unidos do
Viradouro, na Marquês de Sapucaí, e visitou instituições sociais
para apoio a pessoas com aids e câncer. Desde que chegou ao Brasil, no sábado de Carnaval, a agenda da atual miss Universo, a dançarina e modelo australiana Jennifer Hawkins, 21 anos, tem sido a mais eclética possível.

“Sempre quis vir ao Brasil no Carnaval. Desde que desembarquei, desfilar foi a minha maior emoção”, diz a dona da coroa prateada cravejada de pérolas. Em sua passagem, ela experimentou feijoada, provou caipirinha, conheceu praias cariocas e ainda irá a Belo Horizonte antes de retornar a Nova York, onde mora, no domingo 20. Em Brasília, arrancou suspiros do vice-presidente da República,
José Alencar: “Ela é a moça mais bonita que já vi, me faz
lembrar a minha mulher (Mariza Gomes da Silva), quando nos conhecemos”, disse ele.

Filha de uma dona de casa e do gerente de uma empresa ferroviária, ela pratica dança desde os cinco anos e há dois se tornou modelo. Embora não deixe de comer doces e adorar chocolate, não tem dificuldades em manter o corpo de 1,80m e 66 kg. Como boa australiana, se dedica sempre que possível aos esportes aquáticos, como surfe. Seu sonho, no entanto, é ser apresentadora de tevê.

Há 13 anos uma miss Universo não visitava oficialmente o Brasil. Jennifer veio ao País contratada por uma empresa de marketing, que quer trazer o concurso no ano que vem para cá. Por um ano, a modelo é funcionária do milionário americano Donald Trump, que detém os direitos do concurso. Além do prêmio de US$ 250 mil pela eleição, ela ganha um salário mensal e uma porcentagem dos lucros que a empresa de Trump recebe com sua aparição. Exceto quando se trata de presenças vinculadas a causas sociais, o custo de ter Jennifer em eventos gira em torno de US$ 6,5 mil.

Por contrato, a miss Universo tem de ter engajamento social. “Minha rotina é feita de dois mundos opostos, uma hora estou em um evento chique com pessoas superbem vestidas e na outra estou em instituições onde as pessoas sofrem de doenças incuráveis”, diz. Mas a modelo garante que faz de coração. “Essa é a experiência mais importante da minha vida atSé agora, tenho muito orgulho de ter conquistado esse título.” Em meio a tantos compromissos, Jennifer diz que não sobra tempo nem para namorar. “Com tantas viagens, fica impossível conhecer alguém. Mas, não tem problema, eu gosto do que faço e isso tudo é temporário.”

Comente esta matéria