Reportagens  
Capa
Olha ela aí, Gente!
Depois de um ano de polêmicas, Luma de Oliveira ressurge na Sapucaí,
levanta as arquibancadas como rainha de bateria da Caprichosos de Pilares
e surpreende usando um pingente de algemas no pescoço
Carla Felícia
Fotos: leandro pimentel

Enviar para um amigo

Leandro Pimentel
“Desde que pisei na Avenida pela primeira vez
senti que ali era meu habitat”, diz Luma, que há
quase 20 anos reina na Sapucaí
Após o inferno astral do ano passado, Luma de Oliveira apostou que sua estrela voltaria a brilhar em 2005. Pelo que se viu na Marquês de Sapucaí na noite da segunda-feira 7, a modelo acertou. Em sua volta à Caprichosos de Pilares – escola de samba em que estreou como rainha de bateria em 1987, aos 22 anos, desfilando com os seios à mostra – ela mostrou mais uma vez por que é um dos maiores símbolos do Carnaval. Gritos e aplausos fervorosos vinham das arquibancadas toda vez que a bateria se ajoelhava para que Luma erguesse os braços e reinasse absoluta. “Desde que pisei na Avenida pela primeira vez senti que ali era meu habitat”, diz. “Hoje me sinto ainda mais segura, já conheço aquele chão, domino cada espaço.”

Sempre disposta a uma polêmica, a modelo fez questão de adicionar um detalhe sugestivo à fantasia, confeccionada com 50 mil cristais encomendados na Áustria. Como no ano em que usou uma coleira com o nome do ex-marido, Eike Batista, desta vez ela amarrou ao pescoço um laço com pingente de algemas. Seria um sinal de que Luma – separada de Eike há um ano – já estaria “presa” a alguém? Quem sabe ao diretor da Delegacia Anti-Seqüestro e vice-presidente social da Caprichosos, Fernando Moraes, que acompanhou a musa na saída da Avenida? (Durante os ensaios, desde janeiro, estiveram sempre lado a lado.) “Isso foi um presente de uma pessoa especial. Vocês estão muito curiosos” despistou, com um sorriso maroto. “Mas não, não é um novo amor.”

Afastada do Carnaval desde 2003, a modelo entrou na passarela com ansiedade e saudade em dobro. “Até os ensaios tiveram sabor especial este ano.” No dia do desfile, ela acordou por volta das 11h e tomou um café da manhã reforçado. Pelo telefone, agendou para o dia seguinte a volta dos filhos, Thor, de 13 anos, e Olin, de nove, das férias em Angra dos Reis com o pai. Tirou o resto do dia para descansar e guardar as energias para a grande noite. Aos 40 anos, quase 20 de Sapucaí, Luma voltou à passarela ainda mais exuberante. Mesmo assim, não conseguiu escapar da pergunta: já pensa em se aposentar?

“Me sinto como o Schumacher. Todo ano perguntam quando ele vai parar de correr na Fórmula 1”, comparou, rindo. “Sei que não serei madrinha de bateria para sempre, mas uma escola não é feita só de pessoas jovens com corpo bonito.” O retorno triunfal ao Carnaval coincide com outra retomada. Quatorze anos após largar a novela Meu Bem, Meu Mal no meio, em função do casamento com Eike, ela volta a atuar como atriz em julho. É quando começa a rodar a nova versão de A Dama do Lotação, dirigida por Neville de Almeida, no papel que foi de Sônia Braga.

“É como dar um salto triplo sem rede”, compara. “Mas saberei pegar na mão de quem estiver me esperando no outro trapézio.”

16h30 Seis horas antes do desfile, Luma começa a se preparar. Depois do banho, hidrata a pele
19h00 Ela faz questão de dar pessoalmente os últimos retoques na maquiagem
19h30 No closet com o
estilista Saulo Henriques, que costura a fantasia
20h10 Desce as escadas de sua mansão, pronta para ir ao Sambódromo
Comente esta matéria