Celebridade  
Edu Lopes
A atriz prepara-se para reviver esse período no projeto Caixa de Leituras, que contará com uma exposição e leituras de textos.
 
• • •

Enviar para um amigo
Leia colunas anteriores

Fernanda Montenegro

Divulgação
No teleteatro Vivendo em Pecado, em 1959,
Fernanda Montenegro atuou com Sérgio Britto,
idealizador do Grande Teatro Tupi, programa
que apresentou mais de 450 peças na tevê.

Em 1959, Fernanda Montenegro penava para participar do Grande Teatro Tupi, exibido com enorme sucesso nos anos 50 e 60. Todas as segundas-feiras, ela pegava em São Paulo o ônibus conhecido como “corujão” e ia para o Rio de Janeiro, onde o programa era encenado, com o marido Fernando Torres. “Viajávamos de forma violenta. O ônibus saía à 1h e chegávamos ao Rio de manhã cedo. Passávamos o dia inteiro ensaiando e entrávamos no ar, ao vivo, às 22h30”, lembra a atriz. O Grande Teatro foi criado em 1956 por Sérgio Britto, que, na foto acima, contracena com Fernanda em Vivendo em Pecado, de Terence Rattingan, apresentada em 1959. “O TBC (Teatro Brasileiro de Comédia) estava em crise e precisávamos comer. O Sérgio, um monstro de trabalho e organização, propôs o programa para a Tupi”, diz ela. Além de idealizador, o ator foi o grande galã das peças apresentadas na tevê. “Ele apaixonava multidões. As mulheres ligavam para a emissora, propondo o Céu e tudo mais para o Sérgio.” As lembranças de Fernanda também trazem histórias divertidas dos bastidores de um programa ao vivo, como os truques que os câmeras usavam para não mostrar os móveis que caíam no cenário. A partir de quinta-feira 16, o Rio será palco dessas memórias, no projeto Caixa de Leituras, que reunirá, além de Fernanda e Sérgio, os atores Ítalo Rossi e Nathalia Timberg e o autor Manoel Carlos, responsável pelas adaptações do Grande Teatro. “Será bom retomar esse trabalho, que teve tanta importância na nossa formação e que tanta falta faz para a geração de hoje”, avalia Fernanda.