Celebridade  
Divulgação
O único galã que Pedro Paulo Rangel fez em sua carreira foi o personagem Dirceu, na novela Saramandaia, que foi ao ar em 1976. Atualmente, ele encena no teatro a peça Soppa de Letra e interpreta o funcionário público Caio no humorístico Os Aspones
• • •

Enviar para um amigo
Leia colunas anteriores

Pedro Paulo Rangel

Em 1976, Pedro Paulo Rangel viveu uma experiência única em sua carreira: interpretar um galã na televisão. Na novela Saramandaia, de Dias Gomes, ele fez o papel de Dirceu, que vivia um romance proibido com Dulce, personagem de Teresa Cristina Arnauld. “Ele era um motoqueiro e, por isso, eu fiz seis meses de aulas de moto”, lembra Pedro Paulo. Mas a preparação revelou-se inútil, pois ele sequer teve chance de mostrar o que havia aprendido. Na primeira vez que foi gravar uma cena em cima da motocicleta, o ator caiu e quebrou a perna. “Fui levado para o hospital e, depois disso, nunca mais fui motoqueiro. Um dublê teve que fazer todas as minhas cenas”, conta. Enquanto se recuperava, foram necessários artifícios para a realização das outras seqüências em que o ator aparecia. Devido à imobilização da perna, ele só podia gravar se estivesse encostado em um apoio e a câmera só o focalizava da cintura para cima. “A sorte é que acabei ganhando vários closes”, brinca. Pedro Paulo nunca mais foi galã, mas não se importa, por achar que isso lhe deu mais versatilidade. “Não me fixei em um tipo de papel. Foi bom, porque me exercitei em vários tipos de personagens e não fiquei estereotipado”, diz. Atualmente, o talento do ator de 56 anos pode ser conferido em dose dupla. Ele está no teatro, onde encena com sucesso a peça Soppa de Letra, e no humorístico Os Aspones, da Rede Globo, no qual interpreta o funcionário público Caio