Celebridade  
Arquivo Pessoal
Em 2004, ele lançou
o disco Vagabundo
• • •

Enviar para um amigo
Leia colunas anteriores

por Diógenes Campanha  -  álbum de família
No último show com o Secos & Molhados, em 1974,
Ney Matogrosso surpreendeu até quem estava acostu-
mado a suas ousadas performances, ao se jogar no
chão e se arrastar no palco. O cantor saiu de casa
aos 17 anos para servir a Aeronáutica (no detalhe)

Ney Matogrosso

Em 1974, Ney Matogrosso fez seu último show com o grupo Secos & Molhados, que o havia consagrado no cenário musical graças às pinturas no rosto e a ousada performance no palco. Na apresentação derradeira, ele surpreendeu ainda mais. “Fiz coisas que eu não fazia. Eu me joguei no chão e me arrastei pelo palco. Quando vi, já estava fazendo isso; não foi nada planejado”, lembra. A saída de Ney do conjunto só foi anunciada ao público após o lançamento do segundo disco. “Nunca senti falta do Secos. Fora do grupo, eu era livre, podia fazer o que quisesse. Pensaram que eu iria voltar para o Mato Grosso e criar galinhas, mas não foi o que aconteceu”, diz. Em março do ano seguinte, ele lançou o primeiro disco solo, Água do Céu Pássaro, no qual cantou com seu timbre inconfundível músicas de compositores como Milton Nascimento e João Bosco. Não era a primeira vez que Ney tinha a sensação de liberdade. Cinco anos antes, foi exatamente isso que provou ao se alistar como voluntário na Aeronáutica (foto no detalhe), no Rio de Janeiro, e deixar a casa da família, em Campo Grande (MS), onde o pai reprimia seu desejo de ser artista. “Apesar de toda a restrição que o quartel impunha, eu era independente pela primeira vez.” No local, Ney teve a inédita experiência de ver dois homens se beijando e precisou se adaptar à disciplina militar, que incluía aulas de ginástica que começavam às 5h30 da manhã e terminavam com um mergulho no mar. “Nessa época, eu não acordava, era acordado. Foi assim durante dois anos”, recorda-se, sem saudade da rotina matinal. “Agora vivo como gosto: de manhã, eu não existo. Só acordo em caso de extrema necessidade”, diz ele, que, em 2004, gravou o disco Vagabundo, com o grupo Pedro Luís e a Parede.