7 de fevereiro de 2000
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca
 

Polêmica

Divórcio sacode o vôlei de praia
Ana Paula diz que a idade pesou para Jacqueline, que chama sua ex-companheira de monstrinho e as duas desfazem a dupla que tentava ir a Sydney

Vivianne Cohen

Foto: Epitácio Pessoa/AE

"O que adianta ser um santinho pela frente e um monstrinho por trás?", questiona Jacqueline Silva, 37 anos. "A idade acabou pesando para ela, que não estava treinando como deveria", provocou Ana Paula Connelly, 27. Em meio a muito burburinho, polêmica e alfinetadas de ambos os lados, as duas atletas desfizeram a dupla de vôlei de praia que ainda brigava por uma vaga nos Jogos Olímpicos de Sydney, na Austrália, com início agendado para o próximo dia 15 de setembro. De uma relação que durou apenas 11 meses, sobraram acusações e mágoa. Não há nenhuma chance de reconciliação. Elas inclusive já conquistaram outras companheiras: Jacqueline reatou a parceria com Adriana Bento e Ana Paula está com Mônica Rodrigues.

Em fevereiro do ano passado, as atletas fizeram um estardalhaço para anunciar aos fãs que estavam unidas na praia. Jacqueline ostenta no currículo a medalha de ouro das Olimpíadas de Atlanta, em 1996, feito conquistado com a então parceira Sandra Pires. Já Ana Paula abandonava o vôlei de quadra, no qual foi bronze em Atlanta, para se aventurar na areia. O melhor resultado internacional da dupla foi um terceiro lugar numa etapa do Circuito Mundial de Osaka, no Japão. Fora das arenas, no entanto, a união era frágil. "Nunca fomos realmente uma equipe", confessa Jacqueline, conhecida como Jackie. "Nosso entrosamento já não era mais o mesmo nos últimos tempos", emenda Ana Paula.

O auge da crise deu-se na sexta-feira 21, minutos antes de a dupla disputar um jogo válido pelo torneio Rainha da Praia, em Santos. Ana Paula chamou Jackie num canto e disse que não estava satisfeita com os resultados da parceria. O pedido de separação só foi feito no domingo, no final do campeonato, depois de uma conversa tensa. A decisão, porém, já estava acertada quatro dias antes, pois Ana Paula já tinha se inscrito com Mônica Rodrigues para jogar a próxima competição. Jacqueline se sentiu traída. "Fui a última a ser avisada. Fui pega de surpresa", confirma. Essa não foi a primeira vez que a atleta teve de enfrentar o trauma de um rompimento. Jogadora geniosa, rebelde e de personalidade forte, já teve três parceiras: Sandra Pires, Adriana Bento e a própria Mônica Rodrigues, a atual de Ana Paula, de quem não guarda boas recordações. "Ela é muito mandona, quer comandar todo mundo", acusa.

Envie esta página para um amigoA primeira conseqüência desse divórcio foi deflagrada pelo patrocinador. As atletas perderam o apoio da Yopa, cujo orçamento era de mais de US$ 1 milhão por temporada. O contrato terminava no final do ano 2000. "As duas têm um gênio muito forte", reforça Adriana Bento, 29 anos. De companheiras, elas agora são adversárias na corrida rumo a Sydney. "Sem patrocínio, vou ter de usar minhas economias para arcar com as passagens", diz Jacqueline, preocupada. "Mas quando estou por baixo é que mostro minha força", completa.

Colaborou Carlos Henrique Ramos

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home