Veja também outros sites:
 
 
Celebridade
por Dirceu Alves Jr.  
Prensa Três
Em 1973, Tony Ramos, um dos principais galãs da Tupi na época, interpretava o inconseqüente Quico na novela Rosa-dos-Ventos. Hoje, aos 55 anos, o ator celebra quatro décadas de carreira e vive mais um grande sucesso como o coronel Boanerges da novela Cabocla
Carol Feichas

Tony Ramos

Pinta de galã Tony Ramos sempre teve. Desde os tempos em que ainda era apenas Antônio de Carvalho Barbosa, o garoto paranaense nascido em Arapongas, e fazia sucesso com as meninas que o admiravam à distância nas sessões de cinema da cidade. Foi nessas matinês que Tony começou a sonhar com o futuro. Primeiro, não economizava gargalhadas com as comédias estreladas por Oscarito. “É meu grande ídolo até hoje”, diz ele. Pouco depois, Tony percebeu que a arte de ser ator também tinha função social com os filmes do neo-realismo italiano. “Aquelas histórias foram fundamentais para que eu me decidisse pela vida de ator.”

Em 1973, Tony já despontava como um dos atores mais populares da TV Tupi e marcando seu nome no teatro com espetáculos como Quando as Máquinas Param. A novela Rosa-dos-Ventos, escrita por Teixeira Filho, foi apenas um desses exemplos. Na pele do inconseqüente Quico, Tony balançava o coração da noviça Juliana (Wanda Stefânia), que passava a trama inteira na dúvida se devia ou não abandonar o hábito. “Fico feliz em representar personagens carismáticos, como foi o caso nessa novela”, lembra. “Alguns dos meus papéis não foram bem, outros fracassaram, mas, mesmo quando vivo grandes sucessos, prefiro comemorar em silêncio.”

Hoje, Tony festeja quatro décadas de uma sólida trajetória. Aos 55 anos, ele ostenta 40 novelas e 11 filmes no currículo, um estável casamento de 35 anos com a dona de casa Lidi-
ane, mãe de seus dois filhos, e ainda conserva a mesma pinta de galã. No ar como o coronel Boanerges da novela Cabocla, Tony Ramos dá mais uma lição de talento e humildade. “Estou vivendo mais um enorme sucesso, seria hipocrisia negar, mas continuo não acreditando em tapinhas nas costas.”