24 de janeiro de 2000
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca
 



Victor Cunha Rego
Ex-embaixador português, líder revolucionário e ex-editor dos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo, Cunha Rego morre aos 66 anos

Foto: Ag. JN/Portugal

O jornalista português Victor Cunha Rego, colunista no jornal lisboeta Diário de Notícias, teve sua carreira intensamente ligada à imprensa nacional durante os 18 anos em que morou no Brasil. Em 1956, revoltado com a censura imposta pelo ditador António de Oliveira Salazar, mudou-se para São Paulo, onde foi editor dos jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo e do extinto Última Hora. Cativado pela cultura brasileira, escreveu o roteiro para o filme Meninos do Tietê, de 1962, mas jamais se desligou do país natal e mandava reportagens para os jornais portugueses criticando o regime salazarista. Com a Revolução dos Cravos, que democratizou Portugal a partir de 1974, Cunha Rego retornou para fundar o Partido Socialista e tornar-se secretário-adjunto de Estado. Três anos mais tarde, assumiu a embaixada de Portugal na Espanha e, em 1980, a direção da RTP, a televisão pública do país. Há um ano, quando soube que tinha câncer no pulmão, abandonou as crônicas e dedicou-se exclusivamente ao livro Os Dias de Amanhã, lançado há dois meses. Cunha Rego morreu na madrugada da terça-feira 11, em um hospital de Lisboa, aos 66 anos. Deixa os filhos Victor e André.

Bobby Phills, armador do time americano de basquete Hornets, de Charlotte (EUA), morreu em um acidente de automóvel na quarta-feira 12, em uma estrada da Carolina do Norte, aos 30 anos. Phills mantinha a marca de 10,9 pontos por partida e estava no terceiro dos sete anos de contrato que assinara com o time em 1997, por US$ 33 milhões. Era um dos mais queridos pela torcida e participava ativamente de ações ligadas a entidades beneficentes do Estado. Deixa a esposa, Kendall, e dois filhos.

Marc Davis, um dos pioneiros desenhistas dos estúdios Disney, criador de personagens famosos como Bambi, Cinderela e Peter Pan, morreu na quarta-feira 12, em Los Angeles (EUA), vítima de ataque cardíaco, aos 86 anos. Lenda viva no clã de Walt Disney, por muito tempo Davis fez parte do conselho diretor da empresa, conhecido como "Os nove anciãos". Nascido em 1913, na Califórnia, o desenhista começou a trabalhar para Disney nas filmagens de Branca de Neve e os Sete Anões. Com o sucesso, meses depois foi encarregado de criar os personagens do estúdio. Amigo de Walt Disney, em 1961 ele ajudou o chefe a criar o parque Disneyland, em Los Angeles. Parou de trabalhar no processo criativo em 1978, porém permaneceu conselheiro da empresa até sua morte. Deixa a esposa Alice, com quem viveu por 44 anos.

Mário Rigatto, médico pneumologista gaúcho que foi um dos pioneiros na luta contra o tabagismo, morreu na segunda-feira 17, aos 71 anos, devido a problemas cardíacos. Rigatto era professor e vice-reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde se destacou pela luta contra o fumo no Brasil. Estava internado desde o dia 23 de dezembro no Instituto de Cardiologia de Porto Alegre, onde convalescia de um transplante de coração.

 

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home