24 de janeiro de 2000
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca
 

Leia também:

Televisão
Fantasia
Amor que Fica
Ed Banana
Popular

Cinema
Dogma
Gigantes do cinema

Teatro
Boca de Ouro
A Tempestade

Música

O Ser da Tempestade
Burn to Shine
Ares de Havana


Exposições

Amílcar de Castro
Os 90


Livros

Ivo Pitanguy
Sexo
Sobre a Fazenda
Heróis anônimos do Brasil


Internet

Oscar
Críticos de cinema


Televisão - Auditório

Ed Banana
Novo programa da Record tem personagem inspirado no Máskara

Gabriela Mellão

A Rede Record aposta num excêntrico apresentador para ampliar a faixa etária de seus telespectadores noturnos. Ele usa terno e chapéu amarelos, é piadista, faz caretas para a câmera e adora sentar no colo das gordinhas da platéia.

É Ed Banana, um apresentador pastelão ambientado num cenário tropical que foi inspirado no protagonista do filme O Máskara. Interpretado pelo ex-Bozo Edilson Oliveira, 35 anos - que faz o atrapalhado Chiquinho no Eliana & Alegria - o personagem mostra intimidade com a câmera mas, sem o talento de Jim Carrey, não funciona para o público mais velho.

Mesmo assim, o super-herói é a melhor surpresa de Ed Banana (Record, segunda à sexta, 21h). O programa é um festival de clichês da televisão brasileira. Chegou para cobrir as férias de Escolinha do Barulho e, no fim de fevereiro, deve virar um programa dominical. Estão lá os previsíveis quadros que valem dinheiro, videocassetadas, shows de calouros e os jurados palpiteiros de sempre. Não fica faltando nem um sósia de Pedro de Lara, mais gordo e sem graça do que o original, mas tão ranzinza quanto para detonar os aspirantes a músicos.

O lema de Ed Banana é divertir o pessoal de casa, mas isso o programa só faz involuntariamente. Foi o caso de um jogo no qual uma menina, de olhos vendados, testou suas habilidades táteis, tentando descobrir que bichos estavam dentro de caixas. Depois de aventurar seus dedinhos por garras de caranguejos e pela pele viscosa de uma cobra, teve que se haver com baratas. Só que a caixa estava mal fechada e algumas delas conseguiram fugir pela frestas. Foi uma histeria coletiva na platéia, composta em 99% por mulheres.

A falta de novidade não parece ser problema. Na semana da estréia, quando não competiu com jogos de futebol, Ed Banana teve 7 pontos no Ibope - dois a mais do que Escolinha do Barulho.
Quem quer comprar banana?

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home