Veja também outros sites:
 
   
Reportagens
   
 
André Durão
“Romário é autêntico. Trabalhamos juntos e ele sempre disse a verdade. Tem quem aceite o que ele faz”, diz Júnior

Esporte
‘‘Zidane é o melhor do mundo’’
Diretor de futebol do Flamengo, Júnior diz
que Pelé errou ao batizar a lista da Fifa
dos 125 melhores jogadores do planeta e
que Ronaldo pode viver outra fase de ouro

Luís Edmundo Araújo e Nina Arcoverde Mansur

 

Ele foi craque do Flamengo e da Seleção Brasileira, trabalhou como técnico e, nos nove anos em que jogou na seleção brasileira de futebol de praia (Beach Soccer), continuou a conquistar fãs mesmo após pendurar as chuteiras, em 1993. Ao assumir o cargo de diretor de futebol do Flamengo, em janeiro, Leovegildo Lins Gama Júnior, 49, tornou-se dirigente. Casado há 20 anos com a bióloga Heloísa Gama e pai de Rodrigo, 19, Juliana, 18, e Carolina, 14, Júnior passa de maneira peculiar sua experiência ao filho mais velho, que dá seus primeiros passos no futebol como meia-direita dos juniores do Madureira. “Só conto histórias tristes do futebol. Para ele saber como é a vida”, diz Júnior, que sempre viveu do esporte e há dois anos tem uma escolinha de futebol para 350 crianças na Vila Vintém (favela carioca).

Está gostando de ser dirigente?
Não digo dirigente, porque não sou cartola. Sou um profissional que chega no clube às 8h30 e às vezes só saio às 21h, mas feliz. Planejava isso desde 1989, quando voltei da Itália para o Flamengo (ele jogou cinco anos no Torino e no Pescara), mas quando parei, em 1993, me chamaram pra treinar o Flamengo. Depois o Parreira me convidou para ser observador da Seleção na Copa de 1994 e apareceu o Beach Soccer. Agora pude realizar meu objetivo.

É justa a fama de linha dura que você ganhou depois
de dispensar Edilson do time? (Após se apresentar com 10 dias de atraso na volta das férias, em janeiro, Edilson deixou o Flamengo)
Não botamos linha dura nem mole, mas linha profissional.
Ia até escutar primeiro as razões dele, mas o Edilson foi dizendo que não queria ficar, que o desgaste com a his-
tória tinha sido grande. Ele achou que poderia continuar fazendo o que fazia antes.

Qual a sensação de ser incluído na lista da Fifa dos
125 maiores jogadores vivos?

Vi na festa pelos 100 anos da Fifa jogadores de cinco gerações. Uma hora estávamos eu, Falcão, Sócrates e Zico conversando e o Davids e o Kluivert (jogadores da atual seleção holandesa, também na lista) não paravam de olhar pra gente. O Davids (jogador da Juventus de Turim) fala italiano, então perguntei por que estavam olhando. Ele respondeu que estavam só admirando, porque éramos
ídolos deles. Não tem nada que pague isso.

Acha que Pelé errou ao não incluir Nilton Santos na lista (o lateral brasileiro, bicampeão mundial em 1958 e 1962, entrou na lista quando ela foi aumentada dos 100 nomes iniciais para 125)?
Não foi o Pelé. Ele só vacilou ao emprestar o nome para
a lista. O Tostão até falou que o Nilton e o Gérson tinham sido preteridos por mim e pelo Falcão. Não tiramos o lugar
de ninguém, nem pedimos nada. Vai sempre faltar alguém nessas listas, mas Gerson, Tostão (campeões mundiais
em 1970
) e Nilton Santos deveriam estar. Eles foram campeões do mundo.

Ficou alguma frustração por não ter ganho uma Copa do Mundo? (Júnior disputou as copas de 1982 e 1986)
Nenhuma. Para quem jogou a Copa de 1982, será sempre motivo de prazer ter participado. Quem gosta de futebol se lembra daquele time. E também não sei se trocaria a Copa pelos quatro campeonatos brasileiros, a Taça Libertadores e a Copa Intercontinental que ganhei no Flamengo.

As marias-chuteiras já estavam no futebol na sua época?
Claro, mas hoje elas estão mais declaradas. Bastou ser loura, com um corpo legal e pronto. De repente tem até mãe de maria-chuteira profissional dizendo: “Filha, você vai ser uma maria-chuteira” (risos). O futebol continua igual no comportamento desde os tempos de Friedenreich (artilheiro das décadas de 20 e 30). Mudou o dinheiro que entrou.

Acha certo um jogador como Romário sair tanto à noite?
Ele disse que se não fizesse tudo o que fez não seria feliz. Basta. Romário é autêntico. Trabalhamos juntos e ele sempre disse a verdade. Tem quem aceite o que ele faz. Se aceita, não pode recriminar depois.

Quem é o melhor do mundo?
Hoje é o Zidane. Ronaldo teve sua fase e pode ter de novo. Depois do que ele fez na Copa de 2002, o Ronaldo pode tudo.

Comente esta matéria