Veja também outros sites:
Home •• Revista ••• Reportagens  
Reportagens

15/09/2003

   

Sucesso
Volta por cima
Separada de Guel Arraes há um ano e meio, Virginia Cavendish,
atriz de Lisbela e o Prisioneiro, que levou um milhão de pessoas ao cinema, diz que o filme a libertou do estigma de “mulher de diretor”

Carla Felícia

 
André Durão
Guel acredita que Lisbela os reaproximou. “Foi muito
bacana para nossa história ter trabalhado juntos
num projeto que deu bom resultado para ambos”, diz

Só o sotaque pernambucano ficou intacto. Os cabelos na altura dos ombros foram parar na cintura. Os olhos castanhos tornaram-se verdes. A pele clara tornou-se dourada. O corpo esguio ganhou formas mais curvilíneas. Uma nova Virgínia Cavendish surge na tela do cinema quando entra em cena a sedutora Inaura, sua personagem em Lisbela e o Prisioneiro, filme de seu ex-marido, Guel Arraes, que levou um milhão de pessoas ao cinema em duas semanas de exibição. Quem observa com mais cuidado, no entanto, percebe que há algo de diferente além do visual. Aos 32 anos e 15 de carreira, Virgínia acredita que está mais madura, mais segura como atriz. Para ela, a transformação tem tudo a ver com o fato de este ser seu primeiro papel desde que se separou de Guel, há um ano e meio. O fim do casamento de uma década com um dos mais prestigiados diretores da Globo – com quem teve Luísa, de dez anos – fez com que a atriz encarasse seu trabalho de outra maneira. “De certa forma, por ser mulher dele, eu já contava com uma aprovação, que neste filme não teria”, explica. “Tive que ir mais fundo, ficar igual a todo mundo.”

Este recomeço não poderia ter sido melhor: com seu primeiro personagem de destaque fora dos palcos, onde deu os primeiros passos na profissão, ainda no Recife, onde nasceu. “A Inaura tem um espectro maior, vai da comédia ao melodrama, é mais densa e rica”, explica Guel. Era a chance de que precisava para provar seu talento e calar os que a viam apenas como “a mulher do diretor”. “Acho que consegui”, diz ela, referindo-se às críticas favoráveis a sua atuação no filme. “Hoje sei das minhas qualidades como atriz e não aceito mais fazer qualquer coisa.” Na tevê, ela admite que até agora só foi escalada em razão de sua ligação com Guel. “Eram papéis menores, corriqueiros, que não fediam nem cheiravam na trama”, reconhece Virgínia, que fez três novelas e três minisséries, todas na Globo. No cinema, participou ainda de O Auto da Compadecida, adaptação da minissérie dirigida pelo ex-marido. Já no teatro, atuou em sete peças e esteve entre os protagonistas em cinco.

Quase um ano depois das filmagens de Lisbela, já sem o aplique nos cabelos, as lentes de contato e o bronzeado artificial, a silhueta definida da atriz é o único resquício de Inaura. “Ouvi muita gente dizendo que estou gostosona”, diverte-se. Virgínia, que sempre se achou muito magrinha, mudou a alimentação e malhou pesado durante três meses para se sentir bem nas cenas mais ousadas. “Precisava de um corpão para me ajudar a botar para fora minha sensualidade.” Ser dirigida pelo ex-marido, segundo ela, só ajudou. “Como produtora do filme, fui eu quem o convidou para trabalhar porque o considero o melhor de todos”, explica ela, que namora há um ano o diretor de arte Toni Banzolini, de 38 anos. “Claro que ainda tinha uma tensão no ar, mas trabalhamos isso bem porque continuamos amigos.”

Guel acredita que o trabalho em Lisbela reaproximou os dois depois da separação. “Foi muito bacana para nossa história ter trabalhado juntos num projeto que deu bom resul-
tado para ambos”, diz ele. “É a prova de que não trabalhávamos juntos antes só porque éramos casados e de que podemos continuar com esse laço profissional.” Virgínia con-
corda. E acrescenta que os dois continuam muito presentes na vida do outro. “Costu-
mamos falar que só estamos adicionando gente à família, cada um do seu lado.” Toni,
por coincidência é colega de trabalho de Carolina Jabor, atual namorada de Guel.
“Somos todos amigos”, assegura ela.

Comente esta matéria
 
 

Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 215
ENQUETE

Você acredita que a fé
e a religião podem
curar até doenças
físicas, como muita
gente relata?

QUEM SOU EU?
TRABALHO DEMAIS?
O estresse pode
estar a caminho e
você ainda nem
se deu conta.
Faça um teste para
saber se você está
trabalhando demais.

VOCÊ CONHECE MÚSICAS?

 BUSCA

ANIVERSÁRIO

Colocamos as principais notícias do ano que você nasceu em uma home page.
RESUMO DAS NOVELAS
Saiba o que vai acontecer durante a semana na sua
novela preferida
• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
 
| ISTOÉ | ISTOÉ DINHEIRO | PLANETA | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2003 Editora Três