20 de dezembro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca


Revelação

A hora caliente de Ana Paula Tabalipa
A atriz sentiu frio nas cenas de nudez de Luna Caliente, minissérie da Rede Globo, e diz que tremeu ao interpretar sua personagem

Rosângela Honor

Foto: Leandro Pimentel

Quando leu o romance Luna Caliente, do argentino Mempo Giardinelli, a atriz Ana Paula Tabalipa ficou chocada. Na ocasião, quase desistiu de interpretar a adolescente Elisa, estuprada por Ramiro, um homem bem mais velho do que ela e amigo de seu pai. Era agosto de 1998 e Ana Paula havia sido escolhida entre outras 50 jovens atrizes para viver Elisa em uma minissérie em três capítulos da Rede Globo, dirigida por Jorge Furtado. Hoje, mais de um ano depois, ela acha graça ao lembrar que tremia tanto no início das filmagens que mal conseguia abrir os botões da blusa na hora em que precisou gravar a primeira cena em que apareceria seminua. A minissérie Luna Caliente termina na sexta-feira 17.

Embora seja madura para os seus 21 anos, Ana Paula conta que inicialmente ficou preocupada. Temia que as cenas de sexo parecessem gratuitas. Também teve receio que associassem sua imagem à de uma nova lolita. "Não sou gostosona, nem quero ser", defende, na tentativa de afastar qualquer ligação com a imagem de ninfeta símbolo sexual. "Sou reservada, não vou à praia de fio dental e nunca fiz topless."

A hesitação da atriz, no entanto, durou pouco. Depois de algumas conversas com Jorge Furtado, ela mudou de idéia. O maior obstáculo para Ana Paula acabou sendo o frio de 5 graus que enfrentou nas cidades de Rio Pardo e São Lourenço do Sul, no Rio Grande do Sul, onde a minissérie foi filmada. "Nas cenas de nu, sempre tinha aquecedor e alguém me esperando com um roupão para o final de cada gravação." Segundo Ana Paula, a cena mais difícil não foi a em que apareceu nua, somente com um adesivo cobrindo os seios, e sim aquela em que sua personagem fazia sexo no carro, com Ramiro, vivido por Paulo Betti. "Já sei que vou ouvir piadinhas, e confesso que não estou preparada", diz.

Carioca, Ana Paula começou a chamar a atenção dos "olheiros" de agências de publicidade quando ainda era criança. O rosto bonito e os olhos azuis muitas vezes deixaram seu pai, o aviador aposentado Eduardo do Valle, em situação difícil. Ele cansou de rasgar cartões de agências de publicidade porque não queria ver a filha no meio. Mas não teve jeito. Quando fez 13 anos, Ana Paula bateu o pé e decidiu fazer o curso de modelo e manequim de Monique Evans. Teve o apoio da mãe, a pedagoga Maria Isabel, para começar a trabalhar como modelo. Mas não foi adiante na carreira. Sua altura - 1,59m - não ajudou. Nessa época, o diretor Roberto Talma a viu num comercial e a convidou para interpretar a Tainá, de Malhação. Em seguida, ela atuou na novela O Amor Está no Ar e na minissérie Chiquinha Gonzaga.

Irmã de João Eduardo, 22, estudante de Direito, e Ana Cláudia, 17, que quer ser veterinária, Ana Paula passou a infância e a adolescência entre Recife, Guaratinguetá, no interior de São Paulo, e o Rio. O pai, piloto da Marinha, era obrigado a se transferir com freqüência. Em Guaratinguetá, a atriz viveu dos 5 aos 10 anos. É de lá que guarda as melhores recordações da infância. "Eu era um moleque, andava de carrinho de rolimã e jogava taco", lembra. Também cresceu cercada de animais. Seus pais tinham bode, tatu, coelho, gato e papagaio. "Sou apaixonada por bichos." Hoje, tem sete cachorros que ficam no sítio da família, em Itaboraí.

Envie esta página para um amigoAntes de estrear na televisão, Ana Paula Tabalipa foi atleta. Começou fazendo ginástica olímpica, passou para o vôlei e o basquete. Depois foi para o nado sincronizado. Aos 14 anos, não quis mais fazer esportes. Não suportava mais a rotina de acordar às 8h e dormir cedo. "Comecei a namorar aos 12 anos e aos 14 só queria saber de ir ao cinema e à matinê de discoteca", lembra. Também não foi das alunas mais aplicadas na época do colégio. Era do tipo "respondona" e ninguém a segurava quando sabia que tinha razão. "Minha mãe dizia que eu fuzilava as pessoas com os olhos." Mesmo assim, chegou a ingressar na faculdade de Jornalismo, mas trancou a matrícula nos primeiros períodos. Não estava conseguindo conciliar os estudos com as gravações. "Não pretendo voltar para a faculdade, não julgo necessário", acredita. Quer fazer cursos de teatro para se aprimorar como atriz. "Além do mais, não pretendo ser presa e ter que usar o diploma para ficar em prisão especial."
Ana Paula vive a experiência de morar sozinha pela primeira vez. Alugou um apartamento em Copacabana, na zona sul, e diz que tem se "virado" para aprender a cozinhar. Para isso, conta com o apoio integral do namorado, o músico João Viana, filho do cantor e compositor Djavan e baterista de Cássia Eller. Os dois namoraram durante dois anos e, depois de uma separação de sete meses, reataram o romance há pouco tempo. Embora se diga apaixonada pelo músico, afirma que ainda é muito cedo para pensar em casamento. "Acredito em príncipes, mas não em encantados", brinca.

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home