22 de novembro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Canta e Dança Minha Gente
As mulheres da Rede TV!
Jornal da TV!
Sucesso d'além-mar


Cinema

A Premonição
Destinos Cruzados
Festival de Brasília resgata o passado
Santo Forte


Música

Solar
Preciosidades em série
Roda de funk
Latin Wonder
Rainbow
Batuque eletrônico


Livros

Vinícius de Moraes
Aurélio, versão século 21
As Afinidades


Teatro

Rent


Internet

Waldemar Niclevicz
Renato Aragão


Livros - Biografia

Vinícius de Moraes
Todas as paixões e ousadias do poeta são reunidas em livro

Paula Alzugaray

A mesma cena repetiu-se várias vezes. A cada casamento desfeito, Vinícius saía de casa com a roupa do corpo e uma escova de dentes na mão, de peito aberto para mais uma paixão avassaladora que lhe renderia dezenas de poemas e letras de canções. As mulheres - todas elas, de vedetes a intelectuais - sempre foram a fonte de inspiração máxima da obra de Vinícius de Moraes. As musas, os mentores, os amigos e os parceiros, que dividiram amores e dissabores com o poeta, estão no quinto livro da coleção Gente do Século, que será vendido com a edição 17 de Gente.

Como bon vivant que era, Vinícius vivia alegre e intensamente. Como o grande artista que foi, transpôs para seu trabalho toda a emoção e delicadeza de cada um de seus encontros e desencontros. Uma das passagens mais emocionantes, narrada na biografia escrita pelo jornalista Francisco Viana, é o reencontro nos bastidores de um show no Canecão, aos 64 anos, com sua "musa original", para quem escreveu seu primeiro poema de amor, aos 9 anos. Mas o ponto alto é mesmo a parceria com Tom Jobim, que nasceu em 1956, durante a realização da trilha de sua peça Orfeu da Conceição (releitura do mito grego transposto para as favelas cariocas) e culminaria com "Garota de Ipanema", em 1962. Finalmente, constam do livro também os "casos de amor" com as diversas cidades em que viveu: Rio, Los Angeles, Paris e Salvador, onde este filho de Oxalá namorou os ritmos africanos, escreveu a maravilhosa "Canto de Ossanha" e ganhou o carinhoso apelido de poetinha.
A vida apaixonada do poeta

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home