Veja também outros sites:
Home •• Revista ••• Reportagens  
Reportagens

12/08/2002

   
 
 
 
 
 
 
 

 

Família
Meu primeiro dia dos pais
continuação

 

Quando o reencontro não supera a distância

Em 1999, Mara Maravilha entra na igreja de braços dados com o padrasto (à dir.) e o pai verdadeiro

Nem todo reencontro entre pais e filhos significa um final feliz para sempre. A cantora Mara Maravilha, 34 anos, e o cantor Rafael Ilha, 27 anos, conheceram seus pais biológicos depois de adultos, mas não estabeleceram vínculos afetivos. Mãe de Mara, a dona-de-casa Marileide Félix separou-se do marido, o fazendeiro Eliezer Aguiar Silveira, quando a filha havia completado dois anos. Em Itapetinga, interior da Bahia, o casal chegou a brigar na Justiça pela tutela da filha, que ficou com a mãe. “Na época, meu pai até me seqüestrou para ficar ao meu lado”, conta Mara, que foi registrada
como Eliemari, fusão do nome do pai e da mãe. Depois do episódio, a cantora nunca mais o viu. Só o reencontrou em 1992, na Bahia, quando soube da morte de um irmão por parte de pai. “Só falamos do meu irmão, não tocamos no assunto paternidade”, lembra. “Não adiantou criar um clima legal porque não tínhamos nenhuma afinidade.”

Rafael Ilha viu o pai biológico uma única vez, no Programa do Ratinho, e mal se lembra do nome dele: “Acho que é Jorge”.

Durante a adolescência, ela conta que, muita vezes, sentiu ódio do pai. Teve problema de relacionamento com os namorados, mas encontrou conforto para seus traumas ao converter-se para a igreja evangélica há sete anos. “Me limpei com a conversão, superei minha raiva. Hoje, aceito meu pai como alma, ser humano, mas não temos afinidades”, diz ela, aos 34 anos. Por isso, Mara o convidou para sua cerimônia de casamento, em 1999, em São Paulo. Entrou na igreja entre seu pai e seu padrasto, Raimundo Souza. “Quis que os dois participassem do casamento”, conta ela, que depois da festa não falou mais com o pai.

Rafael Ilha só encontrou com o pai verdadeiro uma vez. Há um ano, foi surpreendido com a presença dele numa entrevista para o Programa do Ratinho, no SBT. No palco, pai e filho se abraçaram e choraram. Apesar das lágrimas em rede nacional, o cantor diz não ter gostado da surpresa. “Só tinha curiosidade de saber se era parecido com ele. Era uma pessoa estranha”, diz. Aos 11 anos, o cantor soube que Felipe Ilha, que havia registrado Rafael como filho, não era seu pai biológico. Sua mãe, Silvia Vieira, contou a ele que seu namorado a engravidara mas não quis assumir o filho. “Na hora, fiquei confuso porque minha mãe vivia com meu padrasto desde que eu tinha três meses”, lembra ele. Depois do encontro no Programa do Ratinho, Rafael não viu mais seu pai biológico. E se lembra vagamente do seu nome. “Acho que é Jorge”, diz. Recuperado da dependência de drogas, só pensa em qual livro vai dar de presente para seu padrasto no Dia dos Pais. “Ele é meu verdadeiro pai.”

Comente esta matéria
Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 158
ENQUETE
O especialista em reprodução humana, Roger Abdelmassih, afirma que investir em clonagem humana é desnecessário. Você concorda?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
Ciro Gomes não esconde sua relação de carinho com o amigo e ex-senador Antônio Carlos Magalhães. O que você pensa a respeito? Dê sua opinião
 
 BUSCA

RESUMO DAS NOVELAS
Saiba o que vai acontecer durante a semana na sua novela preferida
JOGOS
Monte sua alma-gêmea e ganhe um papel de parede para seu computador
• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três