Veja também outros sites:
Home •• Revista  
Entrevista

24/06/2002

   
Piti Reali
“No fim do Big Brother 1 a relação entre os participantes estava chegando numa depressão coletiva. A Vanessa entrou numa total introspecção”

CONTINUAÇÃO
Que dano psicológico pode sofrer uma pessoa que, como os participantes do Big Brother 2, Tarciana e Jefferson, tiver relações sexuais em rede nacional?
Qual sua opinião sobre a submissão de Rubens Barrichello à vontade da Ferrari? Você deixaria Schumacher passar?
• Para quem expõe seus sentimentos, como o Thyrso, e a Bárbara Paz na Casa dos Artistas, pode ser pior na hora de sair?

 

Ari Rehfeld
“Reality show pode causar até depressão”
- continuação
 

O que poderia acontecer se prolongássemos o tempo de clausura do Big Brother fosse prolongado?
Mais de 90 dias já podem causar a depressão. No final do Big Brother passado a relação entre os participantes estava chegando numa depressão coletiva. A Vanessa estava entrando numa total introspecção, diminuiu o contato com os outros. Essas pessoas, que não tiveram uma formação educacional que desenvolvesse uma maior participação delas, tenderiam a se deprimir.

Quando os participantes saem da casa, a depressão se agrava?
Difícil dizer, mas elas vão levar um choque porque vão encontrar um mundo não exatamente igual ao que fantasiaram. É impossível fantasiar previamente a reação dos outros e o que vão sentir e pensar numa situação dessas. Há um choque e eles têm que elaborar isso. Não vai coincidir o que pensam com o que é a realidade do público lá fora. Isso acontece com o mundo em geral, mas nessa situação são muitas pessoas assistindo e é muito tempo enclausurado. Podem ficar deprimidas, amargas, frustradas.

O que pode fazer um ex-participante de reality show sofrer?
O que eu tenho visto é que o indivíduo sai, passa umas duas semanas sob a luz dos holofotes, depois mais umas quatro semanas com holofotes de vez em quando. Depois, o fim dos holofotes. E fantasiam voltar à luz dos holofotes, o que dificilmente acontece. Meu conselho é lidar com essa fantasia, senão corre o risco de virar um “holofodependente” (risos).

Para quem expõe seus sentimentos, como o Thyrso, e a Bárbara Paz na Casa dos Artistas, pode ser pior na hora de sair?
Provavelmente. Quanto maior a exposição, maior é a dificuldade que se tem aqui fora. A pessoa que se expõe não tem noção plena, é parcial. Vi entrevistas em que as pessoas se identificaram com o Thyrso. Mas ele pode também ser visto por um outro lado do tipo “pôxa vida, cadê o orgulho desse cara?”. Ninguém tem o controle do que o público vai pensar. As telenovelas são direcionadas de acordo com o que a emissora vai pesquisando. Nesse caso a edição tem um poder enorme.

O senhor disse que as pessoas ficam aprisionadas no personagem. Por quê?
Normalmente as pessoas fantasiam o que as outras pensam. E depois percebem que o afeto que chega até elas não é para elas, mas para os personagens. A pessoa fica sempre aprisionada pela fantasia da expectativa do outro. Agora pegue essa situação e multiplique por milhões de telespectadores. Para completar, quando o participante sai, ainda percebe que o seu personagem, para o público, não é o que ele imaginava. É pesado.

Qual a sua maior preocupação como psicólogo e educador em relação a esse tipo de programa?
Gostaria que a televisão tivesse programas mais educativos, que propiciassem uma participação do telespectador de forma construtiva. A competição desses programas me preocupa profundamente. O Bial é um intelectual, é uma cabeça. Em alguns momentos você vê um certo prazer na fala dele comentando algum descontrole de alguém, um rompimento de algum limite prévio. Pode ser algo dele ou algo construído. Mas isso mostra que se está valorizando que a pessoa não deve medir esforços para o que quer alcançar, inclusive violentar regras ou valores e até fazer mal ao outro. Não digo que é o Bial que faz isso, mas ele representa a vontade dos telespectadores. É a cultura do “vale tudo”, da Lei de Gerson. E o adulto não deveria agir só em função das conseqüências, mas também de princípios.

< Anterior

Comente esta matéria
 
Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 151
 
ENQUETE
Thomas Green Morton conseguirá ganhar o desafio milionário do mágico americano James Randi?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
O psicoterapeuta Ari Rehfeld diz que confinamento de reality show pode levar participantes à depressão e que o ponto em comum entre eles é a carência afetiva. O que você pensa a respeito? Dê sua opinião
 
 BUSCA

RESUMO DAS NOVELAS
Saiba o que vai acontecer durante a semana na sua novela preferida
JOGOS
Monte sua alma-gêmea e ganhe um papel de parede para seu computador
• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três