Veja também outros sites:
Home •• Revista  
Celebridade

24/06/2002

   
por Dirceu Alves Jr.
   
Reprodução/AE
• • •
Divulgação
• • •
Em 1994, Sandy & Júnior posavam para as fotos de divulgação do disco Para Dançar com Você. Oito anos depois, começa o maior desafio da carreira dos filhos de Xororó. Chega às lojas norte-americanas, na segunda-feira 24, o primeiro CD da dupla em inglês e totalmente voltado para o mercado internacional

Sandy & Júnior

Era uma vez uma dupla que foi apresentada ao público em 1989. A pequena Sandy, então com seis anos, e seu irmãozinho Júnior, de cinco, cantavam “Maria Chiquinha”.

Na época, todos pensavam que aqueles dois eram apenas crianças engraçadinhas – e que, por serem filhos do cantor Xororó, no auge do sucesso de “No Rancho Fundo”, em parceria com o irmão Chitãozinho, estavam ganhando espaço na tevê. Em 1991, foi lançado O Aniversário do Tatu, disco de estréia de Sandy & Júnior. Na foto ao lado, os irmãos posavam para a divulgação do álbum Para Dançar com Você, de 1994. Júnior tentava parecer gente grande com os cabelos espetados, igualzinho ao pai. Sandy mostrava que a voz afinada poderia lhe reservar um futuro.

O tempo passou. Sandy virou símbolo sexual que ainda luta para manter o ar virginal, e provou que é uma cantora das mais afinadas. Mesmo sem os dotes vocais da irmã, Júnior revela-se um instrumentista versátil e seguro. Depois de 13 discos lançados no Brasil, com vendagens que ultrapassam com facilidade 1 milhão de cópias, Sandy & Júnior iniciam o maior desafio. Na segunda-feira 24, chega às lojas dos Estados Unidos o primeiro CD internacional da dupla, gravado em inglês. “É como começar do zero”, admite Sandy. Eles também já cantaram em espanhol e vão gravar em francês. O investimento é de US$ 1,5 milhão. Sandy Leah de Lima, 19, e Durval Lima Jr., 18, querem conquistar o mundo. E não duvide deles de novo.

Clique para vê-la ampliada
EDIÇÃO 151
 
ENQUETE
Thomas Green Morton conseguirá ganhar o desafio milionário do mágico americano James Randi?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
O psicoterapeuta Ari Rehfeld diz que confinamento de reality show pode levar participantes à depressão e que o ponto em comum entre eles é a carência afetiva. O que você pensa a respeito? Dê sua opinião
 
 BUSCA

RESUMO DAS NOVELAS
Saiba o que vai acontecer durante a semana na sua novela preferida
JOGOS
Monte sua alma-gêmea e ganhe um papel de parede para seu computador
• Fale conosco
• Expediente
• Assinaturas
• Publicidade
| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL | EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três