Clique para ver a capa ampliada
EDIÇÃO 130
 CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 BATE PAPO
 GALERIA DE FOTOS
 JOGOS E TESTES
 MULTIMÍDIA
 QUIZ
 SEÇÕES
 ACONTECEU
 BASTIDORES
 CELEBRIDADE
 DIVERSÃO & ARTE
 ENTREVISTA
 ESTILO
 EXCLUSIVAS
 IMAGENS DA SEMANA
 INTERNET
 MODA
 MUNDO
 QUEM SOU EU?
 REPORTAGENS
 URGENTE
 SERVIÇOS
 ASSINATURAS
 ASSINE NEWSLETTER
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ESPECIAIS
 EXPEDIENTE
 FALE CONOSCO
 PUBLICIDADE
 BUSCA

 

 

28/01/2002

POR ONDE ANDA

Ferrugem desenferrujou
Após 14 anos longe da tevê, o ator volta como assistente de João Gordo na MTV e conta que fez tratamento para crescer nos Estados Unidos

Edwin Paladino

Fotos: Claudio Gatti
“Virei a cara da Ortopé”, diz Ferrugem que ainda trabalha para a empresa e distribui sapatos para crianças carentes

O apelido nasceu nos estúdios da extinta TV Tupi, quando ele era ator mirim do infantil Gente Inocente, em 1976. Num programa, seguindo o script, o apresentador Lucio Mauro chamou o garoto cheio de sardas para o palco para participar de um quadro. “Ih, lá vem esse menino sardento. Parece que tomou banho e enferrujou”, disse ele. O apelido pegou e Luiz Alves Pereira Neto, 35 anos, desde então é conhecido como Ferrugem. Na tevê, ele fez carreira no final dos anos 70 e início dos 80 em atrações como Os Trapalhões, da Globo, Mini-júri e Boa Noite, Cinderela, do SBT. Mas foi como garoto-propaganda dos calçados infantis Ortopé que ele conquistou as crianças e virou celebridade nacional.

Após 14 anos longe da televisão, Ferrugem está de volta como secretário do apresentador punk João Gordo, na versão 2002 do Piores Clipes do Mundo, um dos programas de maior sucesso da MTV. A insólita parceria de Ferrugem com João Gordo começou a se desenhar há três anos, depois de um encontro numa discoteca em São Paulo. Há oito meses, após a participação do ator no Gordo a Go Go, programa de entrevista do punk, eles começaram a pensar em trabalhar juntos. “Ele manda muito bem e faz parte da cultura pop dos anos 70”, elogia João Gordo, de 37 anos. “Estou de novo na tevê porque, apesar do programa ser escrachado, tem conteúdo e muito humor”, diz Ferrugem.

Embora não apareça mais no vídeo como garoto-propaganda da Ortopé, Ferrugem continua trabalhando para a empresa. Três vezes por mês, visita instituições de caridade pelo Brasil para divulgar a marca. “Virei a cara da Ortopé”, acredita ele, que distribui sapatos para crianças carentes. Sua primeira propaganda na televisão para a fábrica de calçados foi em 1977, aos 10 anos. “Conheci o Brasil inteiro por causa da empresa”, conta. Na Globo, Ferrugem trabalhou com os Trapalhões até 1988, quando terminou a faculdade de jornalismo, em São Paulo. “Era tiração de sarro o tempo todo”, lembra ele.

Ferrugem não seguiu a profissão de jornalista e mudou-se para os Estados Unidos para fazer tratamento de crescimento. Na época, o ator estava com 21 anos e media 1,30 metro de altura. Desde bebê, seu desenvolvimento era mais lento do que das demais crianças. Durante dez anos tratou-se no Brasil, mas obteve poucos resultados. “Meu único medo era que isso afetasse a saúde dele”, diz sua mãe, Maura Nogueira, de 85 anos. “Mas o médico disse que só encontraríamos medicamento eficaz no exterior.” O pai de um amigo era médico e arranjou um tratamento gratuito no National Institute of Health, em Washington.

Durante dez anos, ele fez tratamento no Brasil, mas não adiantou: “O médico disse que só encontraríamos medicamento eficaz no exterior”, diz sua mãe, Maura Nogueira

Nos Estados Unidos, ele descobriu a razão de sua baixa estatura. No parto, Ferrugem sofreu uma pressão na hipófise, glândula do hormônio responsável pelo crescimento. “Fui tirado ao contrário, de costas, e isso afetou a glândula”, explica. Ele tomou hormônio sintético por cincos anos no Estados Unidos e logo viu resultados positivos. Hoje, mede 1,61 metro de altura. “Dá até para fazer sombra”, brinca ele, que no exterior trabalhou como pintor, garçom, entregador de pizza e estudou bateria. Ferrugem retornou ao Brasil em 1997 e se estabeleceu em Barretos, sua cidade natal, onde vivia de dar aulas de música e teatro.

Caçula de uma família de nove irmãos, herdou do pai libanês as pintas e os cabelos vermelhos. Da família, também recebeu influências musicais. Ferrugem, baterista de uma banda de rock, a Banquete de Mendigos, tinha um tio maestro e o pai tocava acordeon. “Ele tinha um supermercado e fazia música para os filhos como hobby, em casa”, lembra. Apesar de baixinho, ele diz nunca ter tido problemas com mulheres. “Todo mundo sempre fala que sou uma gracinha”, conta Ferrugem, que está solteiro mas garante ter namorado muito. E diz que adora mulher alta: “Fica um par bonito”.

Comente esta matéria
 



Quiromancia
Altar Virtual
Cartomancia
Novo Tarô
Biscoito da sorte
Realejo
Bola 8
Par perfeito
I-Ching
Runas
Vidente
Numerologia
Horóscopo
 
ENQUETE
A mãe de Cássia Eller discorda do ex-marido e defende que Chicão fique com Eugênia. Você concorda?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
O que você pensa dos atos de violência contra políticos do PT?
 
CHAT
Nome (até 20 caracteres):
Escolha uma sala
 
 

| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três