25 de outubro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Mais Você
Mochilão
Jornal Hoje


Cinema

O Sexto Sentido


Dança

Forró For All
Muito Romântico


Música

Jobim-Morelembaum
Maratona clássica
Hours...
Nádegas a Declarar
Free Jazz 99 consagra o techno
Claridade


Livros

Gente do Século - Jacqueline Kennedy
Irresistíveis pecados
A dama dos cachorrinhos e outros contos


Exposição

Nuno Ramos


Teatro

Mosaico cigano


Internet

Crônica do Dia
Galeria Photology


Livros - Biografia

Gente do Século - Jacqueline Kennedy
(Brinde da edição 13 da revista IstoÉ Gente - Editora Três)

Paula Alzugaray


Uma infância debruçada sobre cavalos, literatura européia e o cultivo do hábito de escrever e pintar foi decisiva para a formação de um estilo que, somado ao carisma natural, criaria um dos maiores mitos do século 20. Jacqueline Lee Bouvier montou pela primeira vez num cavalo com um ano de idade. Aos seis, já dominava totalmente um garanhão. O mesmo não pode ser dito de seu casamento com John Fitzgerald Kennedy, um mulherengo convicto. Tanto quanto Black Jack, pai de Jackie, com quem ela já havia aprendido que os homens tinham uma “propensão inata para a infidelidade”. Nem por isso, deixou de se apaixonar por eles e, à sua maneira, controlava-os.

A história de Jacqueline Kennedy inaugura a série Gente do Século, uma coleção de biografias com algumas das personalidades mais polêmicas e instigantes do Brasil e do mundo. Os livros, com fotos que marcaram a vida dessas pessoas, foram especialmente produzidos por Gente. A imagem fotográfica de Jackie era sempre a de uma mulher altiva, segura e independente, que parecia nunca ter dado um passo em falso. Os detalhes da biografia escrita pelo jornalista Francisco Viana confirmam as aparências.

Apesar do berço de ouro e de uma educação formatada para a carreira de dona de casa, Jacqueline investiu na originalidade. Tornou-se repórter de jornal e acabou seduzindo o então senador John Kennedy durante uma entrevista. Com o marido eleito para a Presidência dos EUA, em 1960, inaugurou a mística da primeira-dama jovem e moderna, quebrando protocolos, cultivando amizades com artistas e intelectuais como Truman Capote, Andy Warhol e Tennessee Williams e transformando a Casa Branca numa espécie de Palácio de Versalhes americano.

Cinco anos depois da morte de Kennedy, voltou a surpreender. Desafiou a opinião pública de seu país decidindo casar-se novamente com o milionário grego Aristóteles Onassis, “traindo a imagem que os americanos faziam dela”, segundo o jornal The New York Post. Para garantir seu modo de vida, exigiu um contrato nupcial de 168 cláusulas que lhe davam garantias financeiras de US$ 3 milhões e o direito de viajar sem ter de dar satisfações ao marido.

Sem trair seu espírito independente, Jackie nunca renegou a importância dos homens em sua vida. Casou-se três vezes, foi dona de casa e mãe exemplar - que preservou Caroline e John Jr. dos holofotes - e morreu como Jacqueline Lee Bouvier Kennedy Onassis, sem incorporar o nome de seu terceiro marido, o financista Maurice Tempelsman.
História notável de uma mulher inesquecível

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home