CANAIS
 COMPORTAMENTO
 POLÍTICA
 JORNALISMO
 LITERATURA
 MODA
 NEGÓCIOS
 AVENTURA
 TELEVISÃO
 CINEMA
 TEATRO
 MÚSICA
 DANÇA
 ARTES PLÁSTICAS
 ESPORTE
 RELIGIÃO
 EDUCAÇÃO
 CIÊNCIAS
 
 CAPA DA GENTE

Luiza
Erundina

A mulher que deixou o sertão
para comandar São Paulo

“Vejo a política como um instrumento de transformação e melhora da sociedade. No dia em que eu perder essa visão, saio da política”

(1934)

Nordestina, nascida em família pobre, buscou o próprio caminho com muito estudo e trabalho na cidade grande. Luiza Erundina de Sousa nasceu no sertão da Paraíba, em Uiraúna. Filha de Antônio Evangelista de Sousa, agricultor e artesão, e Enedina, mãe de dez filhos e vendedora de café e bolo na feira local, Luiza conta que cresceu marcada pela migração. “Meu pai vivia levando a família para cada canto desse País.” Sua vontade de estudar era tão grande que, aos 10 anos, ela se mudou para a casa de uma tia em Patos, na Paraíba, para terminar o primário e cursar o ginásio. Formou-se em Serviço Social em João Pessoa, fez mestrado em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo e retornou a João Pessoa para lecionar.

Em 1971, no auge da ditadura, perseguida por causa de suas idéias de justiça social, Luiza mudou-se para São Paulo. Nomeada assistente social da Prefeitura, foi trabalhar nas favelas da periferia. Em 1979, eleita presidente da Associação Profissional das Assistentes Sociais de São Paulo, recebeu convite do metalúrgico Luís Inácio Lula da Silva para fundar o Partido dos Trabalhadores. Em 1982, elegeu-se vereadora pelo PT de São Paulo, com 26 mil votos. Em 1986, foi eleita deputada estadual, com 35 mil votos. Em 1988, indicada pelo PT para disputar a Prefeitura de São Paulo, tornou-se a primeira prefeita da história da cidade, com 1.534.547 votos. Sucedeu Jânio Quadros, de quem herdou dívidas e serviços públicos deteriorados, e fez uma administração em que privilegiou a educação, a saúde, o transporte e os serviços sociais. Em 1993, foi nomeada ministra da Administração Federal no governo de Itamar Franco. Derrotada na eleição de 1996, hoje, aos 65 anos, a deputada federal pelo PSB Luiza Erundina é candidata mais uma vez à Prefeitura de São Paulo. Mais do que um ícone que sintetiza a trajetória dos milhões de mulheres anônimas que um dia deixaram o sertão, ela representa a perseverança de todas as que resolveram enfrentar e vencer, a despeito dos preconceitos e adversidades.

 
© Copyright 1996/2000 Editora Três