CANAIS
 COMPORTAMENTO
 POLÍTICA
 JORNALISMO
 LITERATURA
 MODA
 NEGÓCIOS
 AVENTURA
 TELEVISÃO
 CINEMA
 TEATRO
 MÚSICA
 DANÇA
 ARTES PLÁSTICAS
 ESPORTE
 RELIGIÃO
 EDUCAÇÃO
 CIÊNCIAS
 
 CAPA DA GENTE

Bertha
Lutz

A conquista do direito ao voto feminino

(1894 •1976)

Um colunista de um jornal carioca escreveu, em 1918, um artigo maldoso dizendo que as brasileiras não iriam sofrer nenhuma influência da luta pelos direitos femininos na Inglaterra. A paulistana Bertha Lutz, que acabara de voltar da França como bacharel em Ciências na Sorbonne, indignou-se. Respondeu com a sugestão de se criar um movimento de luta pelos direitos femininos. Filha do famoso cientista Adolfo Lutz, Bertha tinha então 24 anos. Bióloga e advogada, ela adotou a causa do voto feminino. Depois de inúmeras participações em congressos, ligas e organizações pelo mundo durante a década de 20, em 1932 Bertha viu Getúlio Vargas aprovar o novo Código Eleitoral contendo o direito de voto das mulheres. Foi a realização de um grande sonho. Aliada à luta pela causa feminina, ainda teve tempo de trabalhar, por mais de 40 anos, como pesquisadora científica na área de zoologia. Como se não bastasse, descobriu quase uma dezena de espécies anfíbias e deixou seu nome nos círculos da ciência internacional.

 
© Copyright 1996/2000 Editora Três