CANAIS
 COMPORTAMENTO
 POLÍTICA
 JORNALISMO
 LITERATURA
 MODA
 NEGÓCIOS
 AVENTURA
 TELEVISÃO
 CINEMA
 TEATRO
 MÚSICA
 DANÇA
 ARTES PLÁSTICAS
 ESPORTE
 RELIGIÃO
 EDUCAÇÃO
 CIÊNCIAS
 
 CAPA DA GENTE

Helena
Rubinstein

A pioneira na indústria da beleza
“Toda mulher pode ser bonita. Bastam15 minutos
por dia e US$ 5 ao ano em creme facial”

(1870•1965)

Foi a partir do Crème Valaze, formulado à base de ervas, que Helena Rubinstein deu início a um dos maiores impérios do setor de beleza. Lançado na Austrália em 1902, o produto facial fez sucesso imediato entre as mulheres daquele país, pois tinha um efeito restaurador e suavizador nas peles ressecadas e queimadas pelo sol. Era uma receita, até então guardada a sete chaves, de um húngaro amigo de sua família, especialista em cosméticos. Foi a polonesa Helena quem também introduziu a inovadora classificação entre peles seca, normal e oleosa, que até hoje serve de parâmetro na indústria internacional de cosméticos.

Nascida na Cracóvia, Helena Rubinstein emigrou para a Austrália em 1890. Dois anos mais tarde, abriu seu primeiro salão de beleza em Melbourne. Com o sucesso de seu creme facial, decidiu estudar com dermatologistas europeus e abriu mais um salão em Mayfair, bairro elegante de Londres, na Inglaterra. Em 1915, mudou-se para Nova York, onde solidificou seu império. Trabalhadora incansável, Helena Rubinstein criou o conceito de beleza saudável, lançando hidratante suave, pó-de-arroz e base coloridos, e foi a primeira a produzir uma linha de cosméticos exclusiva para os homens.

Considerada a primeira cientista da beleza, ela gostava de dizer que os cuidados com a pele e com todo o corpo não se tratava de uma questão fútil, mas sim de um instrumento que contribuiria para a emancipação das mulheres durante o século 20. Em 1953, ela inovou novamente ao criar a Fundação Helena Rubinstein, sediada em Nova York, que patrocina projetos que visam os direitos e o bem-estar das mulheres e das crianças, e o desenvolvimento da educação, da ciência e da cultura. “Fiquei rica graças às mulheres, portanto esse dinheiro deve ser usado para o benefício delas e de seus filhos”, dizia ela, dona de um espetacular acervo de arte com obras de Matisse, Dalí e Picasso, que ficavam expostas numa galeria de sua cobertura, em Nova York.

 
© Copyright 1996/2000 Editora Três