CANAIS
 COMPORTAMENTO
 POLÍTICA
 JORNALISMO
 LITERATURA
 MODA
 NEGÓCIOS
 AVENTURA
 TELEVISÃO
 CINEMA
 TEATRO
 MÚSICA
 DANÇA
 ARTES PLÁSTICAS
 ESPORTE
 RELIGIÃO
 EDUCAÇÃO
 CIÊNCIAS
 
 CAPA DA GENTE

Márcia
Haydée

Uma das maiores bailarinas do mundo
“A vontade de dançar já nasceu comigo.
Nunca tive dúvida de que um dia chegaria lá”

(1937)

Em 1996, aos 59 anos, a bailarina Márcia Haydée resolveu deixar a direção do Ballet de Stuttgart, que coordenava havia 20 anos, para se dedicar à vida pessoal. Márcia queria ter tempo para cuidar da casa, sair com os amigos, ler, descansar. “Nunca tive isso antes como diretora da companhia”, ela conta. Nesta nova fase, ela conheceu o professor de ioga Günther Schoeberl, vinte anos mais jovem do que ela, os dois se apaixonaram e hoje vivem em uma casa de campo, a 40 quilômetros de Stuttgart. Márcia tem tido tempo de arrumar a casa com flores, ouvir música, cozinhar. “Estamos felizes”, resume ela, uma das maiores intérpretes da dança em todo o mundo. Mas o idílio pessoal não a impede de recolocar as sapatilhas e subir ao palco. Em outubro de 1999, apresentou-se com o bailarino brasileiro Ismael Ivo, com a peça Tristão e Isolda, na Alemanha. “Eu não vou parar nunca de dançar”, diz.

Márcia é apaixonada pela dança desde bebê. Aos 3 anos já tinha aulas de balé clássico. “Lembro-me de falar a minha mãe que queria ser uma das maiores bailarinas do mundo”, conta. E conseguiu. Aclamada como a “Maria Callas da dança”, ela já foi disputada por coreógrafos como Maurice Béjart, Glen Tetley e John Neumeier e dançou com parceiros famosos como Richard Cragun (seu marido por 16 anos), Rudolf Nureyev e Jorge Donn. A garota que começou a carreira aos 15 anos, no consagrado Royal Ballet, em Londres, ainda é assediada com convites de coreógrafos e bailarinos do mundo todo. Ela se mantém em forma e continua com um preparo físico invejável por causa da dança. “Danço nas horas vagas, danço quando estou feliz, danço quando estou cansada”, afirma Márcia aos 62 anos, mostrando a receita de um corpo flexível e uma alma sempre jovem.

 
© Copyright 1996/2000 Editora Três