CANAIS
 COMPORTAMENTO
 POLÍTICA
 JORNALISMO
 LITERATURA
 MODA
 NEGÓCIOS
 AVENTURA
 TELEVISÃO
 CINEMA
 TEATRO
 MÚSICA
 DANÇA
 ARTES PLÁSTICAS
 ESPORTE
 RELIGIÃO
 EDUCAÇÃO
 CIÊNCIAS
 
 CAPA DA GENTE

Sônia
Braga

A atriz que personificou o
mito da mulher brasileira

Namorei muito, mas sempre namorei apaixonada

(1950)

Morena, dona de um sorriso lindo e um corpo sensual, Sônia Braga revolucionou o País em 1975, ao encarnar a brejeira Gabriela, personagem de Jorge Amado, na novela da Rede Globo. Até então, a sensualidade não estava presente na tevê. Vestida de chita em cima dos muros, ou em cenas amorosas com seu Nacib, interpretado por Armando Bogus, Sônia deixou aflorar uma carga erótica sutil que, mais tarde, iria pautar as outras novelas. Sônia também mudou o padrão de beleza do País. Depois dela, as mulheres brasileiras passaram a se identificar com seu tipo físico, de cabelos negros ondulados, ancas largas e pele morena.

A paraneaense Sônia, que diz ter descoberto a própria sensualidade com Gabriela – que também interpretou no cinema, em 1983, no filme de Bruno Barreto – ainda fez outras personagens do escritor baiano. Em 1976, fez Dona Flor e Seus Dois Maridos, de Bruno Barreto, uma das maiores bilheterias do cinema brasileiro, e, depois de um exílio de nove anos nos Estados Unidos, voltou ao País em 1995 para filmar Tieta do Agreste, adaptação do romance de Amado dirigida por Cacá Diegues.

Sem papas na língua, com cabelo solto e sem um pingo de maquiagem no rosto, jamais retocado por um bisturi, Sônia é uma antiestrela. Nos Estados Unidos, onde é considerada a maior atriz exportada pelo Brasil desde Carmem Miranda, vive de participações no cinema e na tevê que lhe rendem bem mais do que ganharia no Brasil, cerca de US$ 300 mil por ano. Com uma lista de ex-namorados que inclui os atores Robert Redford e Clint Eastwood, e o compositor Caetano Veloso, Sônia preferiu não casar nem ter filhos. E, à maneira das personagens de Jorge Amado, aproveitar a liberdade e buscar – como diz a composição de Caetano inspirada nela – um lugar onde a tigresa possa mais do que o leão.

 
© Copyright 1996/2000 Editora Três