CANAIS
 COMPORTAMENTO
 POLÍTICA
 JORNALISMO
 LITERATURA
 MODA
 NEGÓCIOS
 AVENTURA
 TELEVISÃO
 CINEMA
 TEATRO
 MÚSICA
 DANÇA
 ARTES PLÁSTICAS
 ESPORTE
 RELIGIÃO
 EDUCAÇÃO
 CIÊNCIAS
 
 CAPA DA GENTE

Nise da
Silveira

Ela revolucionou a psiquiatria com a arte
“Acho um desaforo chamar alguém
de paciente, doente mental ou louco”

(1905•1999)

Quando a psiquiatra Nise da Silveira criou o Serviço de Terapêutica Ocupacional do Centro Psiquiátrico Pedro II, no Rio, em 1946, os maiores avanços da psiquiatria mundial ainda eram a lobotomia, que surgiu durante o salazarismo em Portugal, e o eletrochoque, inventado na Itália fascista. Nise, baixinha e franzina, comprou uma briga com a direção do hospital ao se recusar a usar eletrochoques e psicotrópicos, e ao distribuir tintas, pincéis e argila aos esquizofrênicos. Com o material para poder criar, eles passaram a ter uma vida útil e criativa, dentro de um espaço onde antes se sentiam mortos. Nise interpretava suas obras e assim os tratava, lendo nas pinturas e esculturas seus ricos e perturbados inconscientes. Em 46 anos de trabalho, reuniu mais de 300 mil peças de arte, que hoje formam o acervo do Museu do Inconsciente, no mesmo hospital, e mandou a maior parte dos pacientes para casa, curados.

Alagoana, Nise saiu de Maceió aos 15 anos para estudar no Rio. O pai havia morrido e ela, filha única, decidiu que precisava abrir os horizontes. Formou-se em Medicina – foi a única mulher num grupo de 156 homens – e especializou-se em neurologia. Recusou-se a chamar de pacientes aqueles a quem dedicou seu trabalho. Também não os chamava de loucos ou doentes mentais. “Eles são pessoas como as outras, são clientes”, dizia. “Chamo-os todos pelo nome.” Nise sempre acreditou em terapias mais humanas. Certa de que seus clientes precisavam dar e receber afeto, ela levou cães e gatos ao hospital e os nomeou co-terapeutas, experiência hoje feita em clínicas de todo o mundo. Amiga do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, com quem se correspondeu por vários anos, recebeu dele o conselho para estudar mitologia, que depois considerou outra peça-chave de seu trabalho. Escreveu seis livros, o último deles sobre gatos, uma de suas paixões. Em 1990, uma fratura na perna a levou à cadeira de rodas, de onde não mais saiu. Foi ativa até o fim. Um dia antes de morrer, aos 94 anos, recebeu em seu apartamento, no Rio, o grupo de estudos que mantinha para discutir psicanálise e psiquiatria.

 
© Copyright 1996/2000 Editora Três