CANAIS
 COMPORTAMENTO
 POLÍTICA
 JORNALISMO
 LITERATURA
 MODA
 NEGÓCIOS
 AVENTURA
 TELEVISÃO
 CINEMA
 TEATRO
 MÚSICA
 DANÇA
 ARTES PLÁSTICAS
 ESPORTE
 RELIGIÃO
 EDUCAÇÃO
 CIÊNCIAS
 
 CAPA DA GENTE

Tomie
Ohtake

A maior expressão nacional da arte
Sou apenas uma aplicada operária da arte

(1913)

Adolescente, no Japão, Tomie Nakakubo disse ao pai que gostaria de ser artista. Em resposta, recebeu um severo “não”. Ela estava sendo educada para casar e ter filhos. E assim foi. Anos mais tarde, já morando no Brasil, Tomie casou-se com o engenheiro agrônomo Ushio Ohtake e teve dois filhos. Por longo tempo, desempenhou o papel de esposa e mãe exemplar. Mas a vontade de ser artista reapareceu ao visitar a exposição do pintor japonês Keisuke Sugano, em São Paulo, em 1952. Tomie era uma pacata dona-de-casa de 39 anos quando decidiu seguir o conselho de Sugano e transformar a pequena sala de visitas de sua casa num ateliê. Começou retratando a paisagem do bairro paulistano da Mooca, onde morava. Três anos depois, trocou a arte figurativa pela abstrata. “Queria pintar o que vinha do coração e não apenas o que via”, explica. Além de pintora e escultora, Tomie é gravadora há 30 anos.

Premiada no Salão Nacional de Arte Moderna, em 1960, a artista participou pela primeira vez da Bienal Internacional de São Paulo em 1961. Muitas outras seguiram-se a partir daí, com trabalhos instigantes e aplaudidos pela crítica. Tomie também fez carreira internacional, expondo em vários países. Em 1972, suas litografias foram exibidas na Bienal de Veneza, ao lado de nomes consagrados internacionalmente, como Robert Rauschenberg. Em 1984, fez suas primeiras obras de integração arquitetônica. Em 1988, criou uma escultura pública comemorativa dos 80 anos da imigração japonesa, em São Paulo, e foi condecorada com a Ordem do Rio Branco. Aos 86 anos, a artista nascida em Kyoto e naturalizada brasileira ainda trabalha arduamente – chega a pintar dois ou três quadros ao mesmo tempo. Sempre à procura de novos meios de criação, Tomie, no final de 1999, inaugurou uma série de gravuras de metal recortadas e montadas em vidro, numa técnica inédita. Sua pintura, em vez de brindar a forma, privilegia a cor. “E a escultura é uma espécie de desenho no ar”, define a artista, interessada na expressão completa.

 
© Copyright 1996/2000 Editora Três