13 de outubro de 1999
Home
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Assine
Assine
Assine
Assine
Busca


Sucesso

Eliana, um lugar no coração e outro na mansão
Apresentadora movimenta US$ 40 milhões por ano com seu nome, constrói casa para viver com o futuro marido e assume romance com Roberto Justus

Chantal Brissac

Na mansão que a apresentadora Eliana Michaelichen Bezerra, 25 anos, está erguendo em Alphaville, condomínio fechado nos arredores de São Paulo, sua suíte de 107 metros quadrados tem dois banheiros e dois closets. O "banheiro da senhora", em mármore branco, tem banheira de hidromassagem e vista para o jardim. O "banheiro do senhor" foi revestido em mármore negro com acabamentos em aço inox. "É para o meu futuro marido", diz ela. Até três semanas atrás, Eliana não tinha pretendente para dividir com ela esses aposentos. A moça sorridente, apresentadora de programas infantis desde os 17 anos, planeja se casar de vestido branco, véu e grinalda, e ser mãe de um casal de filhos. A casa ainda não está pronta, mas um namorado já apareceu. Na terça-feira 5, a apresentadora confirmou o romance com o publicitário paulista Roberto Justus, 44 anos, ex-marido da modelo Adriane Galisteu, 26.

Separado há menos de dois meses, Justus começou a namorar Eliana alguns dias depois de um jantar na casa do apresentador Otávio Mesquita, na terça-feira 14. O casal já se conhecia dos tempos em que Eliana estava com o apresentador Luciano Huck, um dos padrinhos do casamento de Justus e Adriane. No jantar para dez amigos organizado por Mesquita e sua mulher, a modelo Vanessa Machado, em sua casa, no Morumbi, na zona sul de São Paulo, os dois conversaram a noite toda e trocaram telefones. "Eles têm tudo a ver, fazem um par perfeito. São extremamente carinhosos um com o outro", diz Mesquita. No final da noite, o anfitrião fez questão de abrir um vinho Mouton Rotschild, safra 1982, para comemorar a temporada de solteiro do amigo - àquela altura, com os dias contados. Encantado com a loirinha, no dia seguinte Justus telefonou para a mulher de Mesquita. "Ele me disse que achou a Li uma menina muito culta, educada e linda", conta Vanessa. A apresentadora soube dos elogios. "Ele é um homem superinteressante, mas acabou de se separar, será que não volta para a Adriane?", retrucou Eliana.

Três dias depois, incentivado por Otávio e Vanessa, Justus inaugurou com uma festa para 30 pessoas o apartamento de mil metros quadrados no Morumbi, comprado para viver com Adriane Galisteu e até então inabitado. O pretexto da recepção era rever Eliana. No sábado 18, os dois se encontraram novamente na casa de amigos em comum. "Havia um karaokê e a Eliana cantou uma música da Whitney Houston, aquela do filme O Guarda-costas", conta Vanessa. A performance agradou tanto que Justus fez questão de ficar com a gravação em CD feita na festa. Com o romance assumido entre os amigos, na segunda-feira 27, o publicitário preparou um jantar em seu apartamento para Otávio e Vanessa e, claro, a nova namorada. "Eles não pararam de trocar carinhos durante a noite. Estavam namorando tão bonitinhos. Para mim, são como um casal de pombinhos", diz Mesquita. "O Justus descurtiu a Adriane tão rápido que surpreendeu até os amigos mais íntimos."

Para não espalhar a novidade, Otávio Mesquita diz que teve de tomar calmante e muitas vezes morder a língua, mesmo quando se espalhava em alguns meios o rumor de que Justus flertava com a jornalista da Rede Globo Fabiana Scaranzi. A estratégia do casal, por enquanto, é não se expor. "Desta vez, o Justus não quer dar detalhes do seu relacionamento, como aconteceu com a Adriane Galisteu", diz Ruth Nor, assessora da agência NewcommBates, da qual o publicitário é presidente. Detentor de contas que renderam no ano passado um faturamento de US$ 100 milhões, Justus passou a atrair os holofotes depois de seu casamento de oito meses com Adriane. Pai de três filhos, tinha atuação discreta quando era casado com Sasha Chrysman e, depois, com a empresária Gisela Prochaska. Mas o namoro com outra apresentadora, igualmente jovem e loira, dificilmente irá afastá-lo do noticiário social. A explicação dada para o fim do casamento com Adriane foi a de incompatibilidade de horários. "Ela nunca tinha tempo", disse, na época. Com Eliana, o script deverá ser diferente, ainda que sua agenda também seja atribulada. "Ela é caseira e adora ficar em família. Também não é muito de sair à noite e badalar", diz uma amiga de Eliana, Patrícia Paixão.

O início do ano 2000 pode ser um divisor de águas na vida da apresentadora. Além da mudança para a nova casa, ela planeja fazer uma viagem de dois meses para a Austrália e dar uma lustrada no inglês. Para ela, 1999 foi um ano turbulento, com o final do romance com o apresentador Luciano Huck, em junho, que a deixou abalada. Os dois estavam juntos havia quase dois anos, e as famílias se juntavam em almoços dominicais. Luciano foi visto com a cantora Ivete Sangalo - sua atual namorada - e Eliana rompeu, alegando infidelidade. Sua mãe, Eva Michaelichen Bezerra, foi quem a consolou nesse período. "Quando tenho algum problema, deito a cabeça no colo da minha mãe e desabafo", diz a apresentadora.

Mas qualquer melancolia dura pouco tempo para Eliana, conhecida por seu equilíbrio. Talvez por isso ela tenha se tornado uma grande empresária. É uma das maiores vendedoras de brinquedos do País - só perde para os licenciados da Disney e de Mauricio de Souza - e já comercializou mais de 10 milhões de unidades desde 1994. Vem consolidando, aos poucos, uma carreira de sucesso. Como cantora, tem seis discos de platina (que venderam mais de 250 mil exemplares) e acaba de lançar o sétimo CD, que já saiu como disco de ouro, com tiragem de 100 mil cópias.

Seu primeiro filme longa-metragem será produzido no próximo ano, bancado pelo próprio bolso, em parceria com a Record. Ela também faz comerciais e uma média de seis shows por mês, pelos quais cobra R$ 20 mil cada. Do total de R$ 40 milhões anuais girados com a marca Eliana, sua empresa fica com 8%, o equivalente a R$ 3,2 milhões. Além disso, na Record, para onde foi há um ano, recebe um salário estimado em R$ 250 mil mensais. Eliana cercou-se de uma multa contratual de R$ 12 milhões, caso alguma cláusula de seu contrato venha a ser quebrada. Seu sonho é tornar-se uma grande comunicadora, com mais tempo no ar e prestígio junto a outros públicos. "Me espelho na Hebe Camargo e no Silvio Santos", diz. Foi o presidente do SBT quem abriu as portas para ela, em 1991. Aos 17 anos, fazia parte do grupo Banana Split e foi convidada por ele, no ar, para apresentar um programa infantil.

Pai zelador
Um dos diferenciais da segunda filha do zelador José Ercilio Bezerra, 68 anos, e da ex-cozinheira Eva, 60 anos, é correr por fora do estilo das globais Angélica e Xuxa, investindo mais no caráter educativo de seus programas. Desde seu início, no SBT, ela aposta nessa direção. A audiência no Eliana e Alegria, que apresenta diariamente ao vivo pela Record, já chegou a nove pontos, marca significativa no horário matutino. A apresentadora coloca quadros didáticos, como o Histórias da Natureza, com a presença de um biólogo, e cuida dos detalhes mais sutis. As meninas que participam do quadro Talento Kid's, dançando lambada, por exemplo, têm que usar shorts debaixo da sainha curta. "Hoje, as crianças estão muito expostas à sexualidade na tevê. Procuro mostrá-las como crianças que são, em atividades próprias para suas idades", diz ela.

Eliana sempre morou com os pais e irá dividir com eles a nova casa de Alphaville, projetada pelo arquiteto João Armentano. "Eles só sairão de perto quando eu casar." Será a primeira vez que a família irá morar numa casa. O pai se prepara para sair do emprego de zelador num prédio no bairro do Jardim Paulista, onde trabalha há 38 anos. Mesmo quando Eliana já ganhava dinheiro suficiente para ele se aposentar, José nunca quis deixar a função - apenas aceitou mudar com a filha para um apartamento maior. "Ele adora o trabalho, quer se sentir útil e ter o dinheirinho dele, e eu acho isso muito digno. Humildade, honestidade e dignidade são os valores mais importantes que eles me passaram", afirma. "Mesmo com todo o sucesso, Eliana nunca deixou de ser simples e humilde", conta José Ercilio. "Ela se preocupa muito com a gente", ressalta Eva. Uma das exigências de Eliana foi que a suíte dos pais estivesse localizada com vista para o jardim, no melhor lugar da casa.

Cearense de Fortaleza, José Ercilio conheceu Eva, descendente de russos ucranianos, na mansão de uma família quatrocentona de São Paulo. Aos 20 anos, loira e de olhos azuis, ela era a mais nova cozinheira da casa. José era o mordomo. A paixão, fulminante, acabou por comover os patrões, que patrocinaram a cerimônia na igreja e a festa para os familiares. Anos depois, José empregou-se como zelador de um edifício no Jardim Paulista, zona sul de São Paulo. Lá nasceram Helena, 36 anos, e, dez anos depois, Eliana. A filha que mudou a vida da família costumava cortar os cabelos da coleção de Susies da irmã e vigiar seus namoricos a pedido do pai. E já mostrava uma vocação artística desde pequena. O gosto pelo balé fez Eva correr atrás de uma bolsa de estudos para a caçula aprender a dançar.
Hoje, Eliana parece disposta a conquistar mais espaço. "Ela não nega fogo, é de arregaçar as mangas e trabalhar", diz José Amâncio, diretor do Eliana e Alegria. Nos programas, faz merchandising de seus brinquedos e CDs, canta, dança e sai de lá pronta para vestir a roupa de executiva. No início, os empresários do ramo de brinquedos esperavam encontrar na sala de reunião a garota sorridente de sainha curta, tênis e tiara na cabeça. Quem comparecia era a moça de tailleur ou ternos em cores básicas, comprados em lojas como a paulistana Daslu. "Até a minha empostação de voz eles estranhavam", conta Eliana, dona de um tom mais grave fora do vídeo.

Negociante
Nas reuniões com os fabricantes de brinquedos, Eliana não dá ponto sem nó. Analisa com atenção o caráter do produto, as cores e a embalagem. É conscienciosa com bonecas que trazem peças soltas, que podem ser engolidas por crianças pequenas, e itens que não são educativos. Também procura negociar o preço, oferecendo produtos para várias classes sociais, entre R$ 10 e R$ 110, para atingir diversas faixas de público. Quando chega em casa depois de um dia recheado de reuniões, gravações de comerciais e fotos, ainda assiste ao programa que apresentou na manhã e checa os das outras apresentadoras. "Nessa análise diária, eu observo coisas que passam despercebidas, como uma frase infeliz ou uma expressão sem graça. Sou exigente comigo, mas também não morro de culpa por causa dos erros. Corrijo e vou em frente."

Dona de um Mercedes preto, Eliana não se permite muitos arroubos. Vive com os pais num apartamento no Ibirapuera e não desgruda do cachorro Snow, da raça maltês, ao qual trata como um bebê. Gosta de esportes radicais - pulou uma vez de pára-quedas. Seu empresário, Marcos Quintela, 28 anos, ex-integrante do grupo Dominó e seu primeiro namorado, com quem se relacionou por seis anos, diz que Eliana, quando sai de um show que acabou de fazer em qualquer cidade do País, em seu ônibus todo equipado, pede ao motorista para parar ao lado de um trailer de sanduíches. "Ela desce, pede um cheeseburger com salada, senta na calçada com todo mundo e a gente fica comendo e conversando, como se não tivesse nada melhor para fazer na vida", diz Quintella. "É simples, sensata e inteligente. A única mulher que eu apresentaria ao meu melhor amigo."

Colaboraram Alessandra Nalio e Rodrigo Cardoso

 

Boletim Assine Fale Conosco Outras edições Home Boletim Assine Fale conosco Outras edições Home