23 de setembro de 1999
Escolha sua capa
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Videokê
Jornal São Paulo 2.ª Edição
Mundo das novelas


Cinema

Festival do Rio: nasce um megaevento
Terra de Paixões
A Viagem


Música

Blues não tem idade
Cheiro de Amor - Cheiro de Festa
A Pedra Filosofal
500 anos de estrada
Zezé di Camargo & Luciano


Teatro

Alma de Todos os Tempos
Bispo Jesus do Rosário

Capital do teatro


Livros

Capitães do Brasil
Atletas do Brasil


Internet

Cultura On Line
Arthur Omar

 


Televisão

Videokê
Novo quadro do Domingão do Faustão leva familiares de personalidades para desfilarem seus dotes musicais

Lilian Amarante

Foto: Reprodução TV

Ibope sempre soou como música para os ouvidos de quem faz televisão. E o avesso da frase também é uma verdade preciosa: música na tevê, desde os musicais dos anos 60, tem mágicos sininhos que encantam a audiência.

Uma prova, além da presença massacrante de cantores e grupos musicais nos mais variados programas, é a ressurreição vitoriosa do Qual é a Música?, no SBT. O quadro, frisson dos anos 70, encontrou platéia suficiente na virada de milênio para fazer de Silvio Santos o líder do horário (domingo, 13h30).

Agora, a programação de domingo na Globo tenta dar o troco com um quadro novo no Domingão do Faustão: Videokê, uma disputa musical entre duas famílias. Enquanto Silvio Santos pergunta nomes de músicas, Fausto Silva só pede afinação em seu Videokê - uma versão televisiva daqueles momentos singulares que quase todo mundo, alguma vez na vida, já passou dentro de um karaokê, ao microfone.

Envie esta página para um amigoNo palco do Domingão, foram à luta as famílias do jogador de basquete Oscar Schmidt (a mulher e o irmão) e da atriz Isabel Fillardis (a mãe e uma vizinha). Os seis se arriscaram ao microfone com músicas escolhidas pela própria equipe ou pela adversária. Oscar Schmidt injetou voz rasgada a um sucesso da Jovem Guarda e Isabel levou decentemente o ritmo de “Manoel”, de Ed Motta. Daí para frente, a coisa desandou, como sempre acontece, para divertir a platéia. Na turma dos desafinados, sobrou a pior parte para o irmão de Oscar, obrigado a interpretar aquela música que só Tetê Espíndola é capaz de cantar: “Escrito nas Estrelas”. Ele foi no falsete do começo ao fim e garantiu o momento mais engraçado do Videokê. A audiência do último domingo, média de 23 pontos, deve garantir à brincadeira vida tão longa quanto a do Qual é a Música?, que no último domingo chegou aos 29 pontos. Para quem vive bombardeado pelo som pesado das baixarias televisivas, Videokê e Qual é a Música? são leves e divertidos como um bom forró.
Diverte olhos e ouvidos

Globo (Domingo, 17h)