23 de setembro de 1999
Escolha sua capa
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Videokê
Jornal São Paulo 2.ª Edição
Mundo das novelas


Cinema

Festival do Rio: nasce um megaevento
Terra de Paixões
A Viagem


Música

Blues não tem idade
Cheiro de Amor - Cheiro de Festa
A Pedra Filosofal
500 anos de estrada
Zezé di Camargo & Luciano


Teatro

Alma de Todos os Tempos
Bispo Jesus do Rosário

Capital do teatro


Livros

Capitães do Brasil
Atletas do Brasil


Internet

Cultura On Line
Arthur Omar

 


Teatro

Bispo Jesus do Rosário
Os irmãos Góes criam espetáculo imperdível sobre a trajetória criativa de Arthur Bispo do Rosário, num sanatório do Rio de Janeiro

Ida Vicenzia

Foto: Divulgação

Imperdível. É o mínimo que se pode dizer desse verdadeiro acontecimento teatral que é o espetáculo Bispo Jesus do Rosário - A Via Sacra dos Contrários, texto de Clara Góes, dirigido por Moacyr Góes e encenado por Leon Góes. Estréia do Teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro, a peça mostra o retorno do bom estilo dos irmãos Góes.

Para o diretor, trata-se de “uma reflexão sobre o ato criativo”; para o espectador, uma apoteótica partitura regida pelos concertos de Haydn e o gênio do artista plástico Arthur Bispo do Rosário, interno da Colônia Júlio Moreira, sanatório psiquiátrico no Rio. Ex-marinheiro que perdeu a razão, o sergipano vai construindo sua obra: barcos, bandeiras e mantos, painéis, uniformes inspirados nas dragonas navais, infinidades de objetos minúsculos apresentados como instalações, a roda da fortuna e o carrossel, um encadeamento de criação compulsiva incitado pelas vozes dos anjos que o assediavam e pela urgência de “mostrar o mundo” para Deus, no dia do Juízo Final. Sua obra acabou representando o Brasil na penúltima Bienal de Veneza.

Envie esta página para um amigoO texto de Bispo Jesus do Rosário traça um paralelo entre a vida do artista e o caminho de Cristo até o Calvário. O pano de fundo é a realidade brasileira, expondo o abandono dos excluídos. A louca Sireneu, (no evangelho, Simão Sireneu, que ajuda Cristo a levar a cruz), no grande talento de Marcélia Cartaxo, emociona com sua ingenuidade e sofrimento. Destaque ainda para a sensível Helena Ranaldi, fazendo a estagiária de psicologia que acompanha o artista na colônia psiquiátrica. A movimentação dos anjos e o figurino de Samuel Abrantes trazem de volta a magia de Os Bufões, um dos primeiros trabalhos do diretor Moacyr Góes. O cenário de José Dias colabora para a grandiosidade do espetáculo. Para encerrar, no papel de Bispo, Leon Góes na maturidade de seu talento.
Vida e obra de um profeta sergipano


Direção: Moacyr Góes