23 de setembro de 1999
Escolha sua capa
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Videokê
Jornal São Paulo 2.ª Edição
Mundo das novelas


Cinema

Festival do Rio: nasce um megaevento
Terra de Paixões
A Viagem


Música

Blues não tem idade
Cheiro de Amor - Cheiro de Festa
A Pedra Filosofal
500 anos de estrada
Zezé di Camargo & Luciano


Teatro

Alma de Todos os Tempos
Bispo Jesus do Rosário

Capital do teatro


Livros

Capitães do Brasil
Atletas do Brasil


Internet

Cultura On Line
Arthur Omar

 


Show

Cheiro de Amor - Cheiro de Festa
Show da banda Cheiro de Amor carrega nas coreografias e mantém firme a onda do axé

Gabriela Mellão

Foto: Pio Figueiroa

Se o axé é um modismo, então a moda está firme. Uma prova disso é a banda Cheiro de Amor, que acaba de comemorar duas décadas de vida em um show para 100 mil pessoas, em Salvador, no dia comemorativo da independência do Brasil. A festa marcou a abertura da turnê do 14.º disco do grupo, Cheiro de Amor ao Vivo - Cheiro de Festa, ao som de grandes sucessos da banda, como “Dança da Sensual” e “Vai Sacudir”, e algumas inéditas, como “Simpatia”, música que teve seu clipe gravado durante o show.

A boa fase da banda Cheiro de Amor tem quase cinco anos e uma responsável: a cantora Carla Visi, 26 anos, que assumiu o vocal em 1995. “Cheiro de Amor tem a.C. e d.C. Foram dez anos com Márcia (Freire, que saiu para seguir carreira-solo) e, depois, o sucesso. Acho que minha chegada deu um estímulo para os que já estavam se reciclarem e renovarem a proposta da banda”, diz Carla Visi.

A mudança veio com a dança, que estabilizou o grupo no mundo musical. Não por acaso, o destaque do show é a coreografia - regada a dança afro e muito rebolado. As bundas, como de praxe em espetáculos de axé, são o centro das atenções. A surpresa é que se trata de um par masculino. “Não é revanche contra É o Tchan”, brinca Carla.

Envie esta página para um amigoA intenção do novo trabalho da banda é dialogar ao máximo com os fãs. Por isso, algumas coreografias são inspiradas na animação do público dos trios elétricos - é o caso da dança que acompanha a música “Ficar com Você”. Também vem dos fãs a idéia de incluir no repertório temas que fogem do circuito axé, como “O Vira”, do Secos e Molhados, e “Pintura Íntima”, do Kid Abelha. “Decidimos incluí-las quando tocamos num trio elétrico e sentimos a empolgação da galera”, diz Carla. Têm os dedinhos do povo até mesmo as músicas inéditas que compõem o show e o disco. “Fizemos uma eleição na rádio de Aracaju: colocamos oito canções e o povo selecionou cinco”, diz a cantora.
Verão antecipado