13 de setembro de 1999
Escolha sua capa
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Mulheres
Muppet Show
Circular


Cinema

Criminosos por Acaso
Sexo em Veneza
Noiva em Fuga
A Filha do General


Música

Olhos de Farol
De Olhos Bem Fechados
Djavan ao Vivo
Spirit of Music


Teatro

Corpos que falam
Nostradamus


Livros

Entrevistas sobre o Fim dos Tempos
Futebol para todos os gostos
Vissi D'Arte


Internet

Celebridades Virtuais
Tudo no Ar


Exposição

Madame Yevonde
Mostra Rio Gravura

 


Pop

Spirit of Music
Quinto filme de Ziggy Marley traz menos reggae e dá mais espaço para blues, folk, pop e até o rap

Ramiro Zwetsch

Parece que Ziggy Marley finalmente percebeu que, tocando reggae, a comparação com a obra do pai, Bob Marley, será sempre inevitável. Seus quatro discos anteriores - preocupados demais em adequar a música jamaicana a um formato contemporâneo e comercial - não deixavam transparecer seu potencial criativo. No novo Spirit of Music, a batida hipnótica da Jamaica cede espaço para saborosos flertes com o blues, o folk, o pop e até com o rap.

O bluesman Taj Mahal empresta seu talento e sua gaita em “Keep my Faith” e “All I Need is You” - não por acaso, as melhores pedidas do disco. Na primeira, a gaita de Mahal contracena com a percussão tribal, fazendo um pano de fundo poderoso para Ziggy evocar sua melodia, agradável e cadenciada. Na segunda, o gaitista imprime, discretamente, um pouco mais de alegria à levada contagiante da música.

A voz de Ziggy - freqüentemente associada à do pai - se aproxima dos timbres de outro Bob em “Beautiful Day”, um folk rock bem ao estilo de Dylan. Ao reggae, Ziggy só se entrega inteiramente em “All Day Night” - de Bob Marley - e “Jah Will Be Done”.
Menos reggae, mais alegre