13 de setembro de 1999
Escolha sua capa
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Mulheres
Muppet Show
Circular


Cinema

Criminosos por Acaso
Sexo em Veneza
Noiva em Fuga
A Filha do General


Música

Olhos de Farol
De Olhos Bem Fechados
Djavan ao Vivo
Spirit of Music


Teatro

Corpos que falam
Nostradamus


Livros

Entrevistas sobre o Fim dos Tempos
Futebol para todos os gostos
Vissi D'Arte


Internet

Celebridades Virtuais
Tudo no Ar


Exposição

Madame Yevonde
Mostra Rio Gravura

 


Fotografia

Madame Yevonde
Trabalho fotográfico de uma das pioneiras da fotografia colorida é mostrado em São Paulo antes de seguir para Brasília e Recife

Paula Alzugaray

O teatro e as festas à fantasia ilustraram a infância da menina Yevonde Cumbers, nascida em Londres, em 1893. A política movimentou sua adolescência, quando aderiu ao movimento sufragista, pelo direito ao voto feminino. As duas etapas foram fundamentais para a formação do trabalho fotográfico de Madame Yevonde (1893-1975), uma das pioneiras da fotografia colorida. A reflexão sobre novos modelos sociais para a mulher é o tema das fotografias que compõem a mostra organizada pelo British Council.

Yevonde não foi pioneira apenas por acreditar que os primeiros experimentos com a fotografia colorida não seriam uma moda passageira. A retratista da aristocracia britânica dos anos 20 foi uma das primeiras a banir os móveis estilo império de seus cenários e a queixar-se da “pouca variedade de poses” dos modelos. Na década em que Hollywood transformou atrizes em deusas do cinema, Yevonde chacoalhou a conservadora sociedade britânica retratando as damas da alta sociedade como deusas gregas e romanas. A mostra conta com 16 fotos da série “Deusas” e mais de 40 trabalhos editoriais e publicitários - com clara influência surrealista.
Ousadia em foco