13 de setembro de 1999
Escolha sua capa
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Mulheres
Muppet Show
Circular


Cinema

Criminosos por Acaso
Sexo em Veneza
Noiva em Fuga
A Filha do General


Música

Olhos de Farol
De Olhos Bem Fechados
Djavan ao Vivo
Spirit of Music


Teatro

Corpos que falam
Nostradamus


Livros

Entrevistas sobre o Fim dos Tempos
Futebol para todos os gostos
Vissi D'Arte


Internet

Celebridades Virtuais
Tudo no Ar


Exposição

Madame Yevonde
Mostra Rio Gravura

 


Foco

Sexo em Veneza
O sexo e a música são os temas mais explorados pelos filmes da 56.ª edição da Mostra Internacional de Arte Cinematográfica de Veneza

Veneza está mergulhada em sexo e música. Os temas são os mais explorados pelos filmes da 56.ª edição da Mostra Internacional de Arte Cinematográfica de Veneza, um dos festivais mais importantes do mundo.

Ainda na abertura, a exibição póstuma de Stanley Kubrick com sua derradeira mistura - o polêmico De Olhos Bem Fechados. Mas a onda estava só se formando. Dali para a frente, os escândalos estiveram mais na tela do que na platéia e suspenderam a respiração até mesmo da contida crítica internacional.

Na primeira semana do festival, não se falou de outra coisa que do sexo explícito e sadomasoquista do concorrente coreano ao Leão de Ouro, Gojitmal (mentiras, em português), de Jang Sun Woo. O relacionamento entre uma jovem de 18 anos (Kim Tea Yeon) e um professor quarentão (Lee Sang Hyun) é mostrado com cenas tão fortes que deixaram na poeira as obsessões de Stanley Kubrick e filmes-escândalo do passado, como O Império dos Sentidos, de Nagisa Oshima, e O Último Tango em Paris, de Bernardo Bertolucci.

Até Holy Smoke, da respeitada diretora neozelandesa Jane Campion, não se furtou a mostrar a nudez total da musa de Titanic, Kate Winslet, ao lado de Harvey Keitel, já desnudado em outro trabalho de Campion, O Piano.

Apesar do nome, a produção franco-belga Une Liaison Pornographique (Uma Ligação Pornográfica) chamou a atenção menos pelas cenas de sexo e mais pelo delicado enfoque da intimidade entre um homem (Sergi Lopez) e uma mulher (Nathalie Baye), conduzido pelo diretor Frédéric Fonteyne. Mais disposta a chocar veio a longilínea Cameron Díaz, que abdicou dos cabelos louros e mergulhou numa ligação lésbica no badalado Being John Malkovich, de Spike Jonze.

Não foram tão longe em ousadia, mas entusiasmaram também as paixões de With or Without You, com Christopher Eccleston (Elizabeth) e Dervla Kirwan, e de Eye of the Beholder, com Ewan McGregor, o Jedi de Ameaça Fantasma, e Ashley Judd (Beijos que Matam).

Uma outra vertente do festival aposta tudo na música, a partir de Topsy Turvy, requintada reconstituição de época do inglês Mike Leigh (Segredos e Mentiras) sobre a parceria de dois conhecidos autores de óperas populares na Inglaterra vitoriana, William Gilbert (Jim Broadbent) e Arthur Sullivan (Allan Corduner). Em Death of a Composer, o inglês Peter Greenaway constrói a biografia imaginária de um músico, Juan Manuel de Rosa.

Não podia faltar a Veneza, como sempre, a novíssima produção de Woody Allen, Sweet and Lowdown, que recompõe a trajetória de um talentoso e obscuro guitarrista dos anos 30, Emmet Ray (Sean Penn, engraçado como nunca). Não resistiu ao chamado musical nem mesmo o mestre do terror, Wes Craven, que não apareceu por aqui por estar filmando Pânico 3, mas enviou seu delicado trabalho Music of the Heart, que traz Meryl Streep como a dedicada mestra de violinistas-mirins no East Harlem de Nova York.
(Neusa Barbosa, de Veneza)