13 de setembro de 1999
Escolha sua capa
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Mulheres
Muppet Show
Circular


Cinema

Criminosos por Acaso
Sexo em Veneza
Noiva em Fuga
A Filha do General


Música

Olhos de Farol
De Olhos Bem Fechados
Djavan ao Vivo
Spirit of Music


Teatro

Corpos que falam
Nostradamus


Livros

Entrevistas sobre o Fim dos Tempos
Futebol para todos os gostos
Vissi D'Arte


Internet

Celebridades Virtuais
Tudo no Ar


Exposição

Madame Yevonde
Mostra Rio Gravura

 


Suspense

A Filha do General
John Travolta faz o investigador do Exército às voltas com um crime, em obra que mantém o suspense até o fim

Lilian Amarante

A Filha do General é mais uma história tirada dos livros e transformada por Hollywood em um competente longa-metragem. Com um trunfo: o ator John Travolta (Pulp Fiction) no papel principal. Como um investigador do Exército com plenos poderes e toda a astúcia do mundo para investigar um assassinato, ele não está muito diferente de personagens que interpretou em filmes anteriores, mas tudo bem. John Travolta é realmente bom e convincente quando tempera com humor as situações de ação e suspense. Em A Filha do General, Travolta e Madeleine Stowe (Os 12 Macacos) investigam o assassinato dessa que dá título ao filme, uma jovem capitã do exército, Leslie Stefanson (Melhor Impossível), assassinada dentro de uma base militar da Geórgia. Atrás de pistas, o casal de investigadores enfrenta o corporativismo do Exército americano, disposto a esconder a verdade. A história vai ficando mais e mais cabeluda e os problemas se agravam na mesma proporção. O roteiro foi baseado no livro de Nelson DeMille e produzido por Mace Neufeld (Jogos Patrióticos). No elenco cheio de estrelas, destaque para James Woods, ótimo no papel de um psiquiatra militar. O diretor Simon West, de Con Air - A Rota da Fuga, conseguiu belas imagens, boa trilha e ação. Em alguns momentos, o filme parece previsível, mas mantém o suspense até o fim.
Travolta em ação