13 de setembro de 1999
Escolha sua capa
Home
Semana
Diversão e Arte
Outras Edições
Fale Conosco
Assine
Busca

Leia também:

Televisão

Mulheres
Muppet Show
Circular


Cinema

Criminosos por Acaso
Sexo em Veneza
Noiva em Fuga
A Filha do General


Música

Olhos de Farol
De Olhos Bem Fechados
Djavan ao Vivo
Spirit of Music


Teatro

Corpos que falam
Nostradamus


Livros

Entrevistas sobre o Fim dos Tempos
Futebol para todos os gostos
Vissi D'Arte


Internet

Celebridades Virtuais
Tudo no Ar


Exposição

Madame Yevonde
Mostra Rio Gravura

 


Livros

Futebol para todos os gostos
Obras tratam de memórias e curiosidades lingüísticas sobre o esporte mais popular do mundo

Uma das fontes de inspiração máximas do escritor e dramaturgo Nelson Rodrigues, o futebol ainda é matéria-prima inesgotável para escritores brasileiros. Três livros recém lançados têm no esporte seu ponto de partida.

É Golo, Pá! (112 págs., R$ 12) é uma compilação de expressões peculiares da narração futebolística portuguesa. Escrito por Luís Bogo, jornalista brasileiro radicado em Lisboa, e seu irmão Marcos, o livro reforça o folclore brasileiro de tirar um sarro de nossos colonizadores lusitanos. Como não rir de expressões como “esférico” (bola), “dar uma cabrita” (dar um chapéu) ou “dar uma cueca” (passar a bola por baixo das pernas do adversário)? Bem-humorado, É Golo, Pá! garante uma boa leitura, revelando curiosidades pitorescas.

Direcionado ao público infanto-juvenil, Minha Vida de Goleiro (48 págs., R$ 16,50) - de Luiz Schwarcz - é uma história para qualquer moleque se apaixonar de vez por futebol. Bem ilustrado, narra os primeiros contatos de um menino com a bola e, paralelamente, conta a trajetória de sua família - de origem judaica -, que migra para o Brasil durante a Segunda Guerra Mundial. A leitura é fácil e equilibra bem ficção com o conteúdo histórico didático.

Em A Colina dos Suspiros (128 págs., R$ 12), o autor Moacyr Scliar relata os episódios que envolvem o fictício Pau Seco Futebol Clube, a partir da venda de seu estádio para a construção de um cemitério. Com humor leve, essa saborosa crônica cativa pelo ótimo texto, só interrompido pelas risadas que desperta. (R.Z.)