06 de setembro de 1999

Leia também:

Televisão

Mulher
Ione
Globo no mundo
SBT Repórter
Resposta MTV
Jornal do Nenê


Cinema

De Olhos Bem Fechados
Um Plano Simples

Wing Comander - A Batalha Final
Câmera Virtual


Música

Na Pressão
"Eu sou brega, sim"
Belas e Feras


Teatro

Benguelê - Sete ou Oito Peças para um Ballet


Livros

Queimando Tudo
Parques Nacionais Brasil
Achados da Geração Perdida
Com Todas as Letras - O Português Simplificado


Internet

Casseta & Planeta
Princesa Carola

 


Dança

Grupo Corpo
Compahia mineira de dança apresenta dois espetáculos

Há pelo menos dez anos as temporadas internacionais fazem parte do calendário anual do Grupo Corpo, companhia de dança criada em 1975 em Belo Horizonte e apontada como uma das mais importantes do Brasil. Recém-chegados de uma turnê por quatro países da Europa e duas cidades americanas, os 19 bailarinos do Corpo iniciam no Teatro Alfa, em São Paulo, a temporada brasileira do espetáculo que conta com a remontagem de dois "clássicos" do coreógrafo Rodrigo Pederneiras.

A apresentação é composta por Sete ou Oito Peças para um Ballet (1994) e Benguelê (1998), dois luxuosos - e contrastantes - arranjos pictóricos em movimento. Os passos de Benguelê dialogam com o imaginário da cultura popular brasileira de origem afro. Ao dispor os bailarinos "descadeirados", com muita movimentação de bacia e troncos curvados, o coreógrafo amplia a conexão com nosso passado. A trilha sonora, especialmente composta por João Bosco, acentua o sotaque africano - com influências índia e moura - da coreografia.

Sete ou Oito Peças para um Ballet também conta com música original, desta vez do compositor minimalista norte-americano Phillip Glass. De clara inspiração minimalista, a coreografia de Pederneiras é pautada pela repetição exaustiva dos movimentos. As duas peças tratam de maneira distinta - mas fascinante - a repercussão da sonoridade nos corpos dos bailarinos. Em outubro, o Corpo volta a se apresentar na França e, concluída a turnê brasileira, em dezembro, retoma os ensaios da nova coreografia, com música original de Arnaldo Antunes. (M.B.)
Sotaque africano e minimalista

São Paulo - Teatro Alfa Real - até 5/9
Rio de Janeiro - Theatro Municipal - de 9/9 a 12/9
Goiânia - Teatro Rio Vermelho - 22/9
Brasília - Teatro Nacional - 24/9 a 27/9
Belo Horizonte - Palácio das Artes - 25/11 a 29/11
Porto Alegre - Theatro São Pedro - 2/12 a 6/12
Curitiba - Teatro Guaíra - 9/12