06 de setembro de 1999

Leia também:

Televisão

Mulher
Ione
Globo no mundo
SBT Repórter
Resposta MTV
Jornal do Nenê


Cinema

De Olhos Bem Fechados
Um Plano Simples

Wing Comander - A Batalha Final
Câmera Virtual


Música

Na Pressão
"Eu sou brega, sim"
Belas e Feras


Teatro

Benguelê - Sete ou Oito Peças para um Ballet


Livros

Queimando Tudo
Parques Nacionais Brasil
Achados da Geração Perdida
Com Todas as Letras - O Português Simplificado


Internet

Casseta & Planeta
Princesa Carola

 


Livros

Achados da Geração Perdida
Obra mostra os delírios gastronômicos de artistas fora de seu país

Paula Alzugaray

Outono de 1908, estúdio do jovem (e duro) pintor Pablo Picasso, no decadente bairro de Montmartre, Paris. Trinta amigos reúnem-se para um banquete em homenagem ao pintor sexagenário Henri Rousseau. Picasso destina 50 garrafas de vinho para a festa e a comida, uma enorme paella valenciana, é preparada por Fernande Olivier, namorada do pintor.

Assim começa a orgia gastronômica de Achados da Geração Perdida (264 págs., R$ 28), da jornalista americana Suzanne Rodriguez-Hunter, uma deliciosa compilação de receitas e histórias ao redor das mesas de alguns dos maiores artistas do século. O banquete de Picasso acabou ao amanhecer, mas logo veio uma ceia fria com ostras e maionese de vinho tinto compartilhada pelo escritor James Joyce e pela editora Sylvia Beach.

O livro seria infindável caso a autora não tivesse escolhido, como tema central, as comilanças dos americanos "expatriados", que decidiram viver em Paris durante os anos 20 - a década da efervescência cultural, que produziu os movimentos cubista, dadaísta e surrealista. O escritor Ernest Hemingway foi um dos que aproveitaram a Primeira Guerra para trocar os EUA pela Itália onde foi dirigir uma ambulância. Em janeiro de 1922, passava fome em Paris, tentando viver da própria escrita. É especialmente saborosa sua refeição de salsichas com mostarda e salada de batatas. Gosto ainda mais especial tem a lagosta grelhada que a dançarina Josephine Baker come sozinha, nos camarins do teatro Folies-Bergères, depois de ter passado a infância catando cabeças de galinha no lixo de St. Louis, nos EUA. Mas, hours-concours, como dizem os franceses, eram os restaurantes baratos do mercado de peixes Les Halles - que serviam a tradicional sopa de cebolas -, onde dez entre dez boêmios viam o dia nascer.
Merecia uma edição ilustrada

Achados e Perdidos
Suzanne Rodriguez-Hunter (Rocco)