06 de setembro de 1999

Leia também:

Televisão

Mulher
Ione
Globo no mundo
SBT Repórter
Resposta MTV
Jornal do Nenê


Cinema

De Olhos Bem Fechados
Um Plano Simples

Wing Comander - A Batalha Final
Câmera Virtual


Música

Na Pressão
"Eu sou brega, sim"
Belas e Feras


Teatro

Benguelê - Sete ou Oito Peças para um Ballet


Livros

Queimando Tudo
Parques Nacionais Brasil
Achados da Geração Perdida
Com Todas as Letras - O Português Simplificado


Internet

Casseta & Planeta
Princesa Carola

 


Ficção científica

Wing Comander - A Batalha Final
Aventura espacial despretensiosa é bom entretenimento

Ramiro Zwetsch

Depois de criar a série de games Wing Comander, Chris Roberts resolveu traduzir para o cinema a linguagem dos jogos eletrônicos, no filme Wing Comander - A Batalha Final, uma projeção futurista para o ano de 2564.

A Confederação - esquadrão aéreo da população humana - está envolvida em um combate com os alienígenas da raça Kilrathi, que ameaça destruir o planeta Terra. O jovem piloto Christopher Blair (Freddie Prinze Jr., Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado) e a líder da equipe aérea de caça, Jeanette Deveraux (Saffron Burrows, Por uma Noite Apenas) têm a missão de despistar o inimigo, enquanto a artilharia pesada abre fogo para o ataque final.

Cenas de combate aéreo e um vasto repertório de efeitos especiais garantem um ótimo entretenimento, sobretudo ao público adolescente. A comparação com Guerra nas Estrelas é inevitável, mas Wing Comander é bem mais despretensioso, com uma trama menos complexa e mais realista. Os pilotos da Confederação, por exemplo, são motivados por doses de uísque, em lugar da "força", que revitaliza os personagens de George Lucas.
Efeitos especiais sem pretensão