BRASIL
   Últimas     Notícias     Mundo     Brasil     Economia     Esporte     Informática     Revistas

INDICADORES
» Cotação do dólar
» Outros indicadores
BOLSA DE VALORES
» Consulte uma cotação
» Outras bolsas
BASTIDORES
» Claudio Humberto
JORNAIS DA REDE
» Manchetes do dia
PREVISÃO DO TEMPO

» Imagem do satélite
SERVIÇOS
» Agenda
» Cotação de Automóveis
» Empregos
» Horóscopo
» Loterias
» Imposto de Renda
BUSCA
» Busca em notícias
» Busca na Internet

MP ameaça fechar a Gaviões da Fiel

Terça, 27 de junho de 2000, 17h03min
As cenas de violência que os torcedores do Corinthians promoveram nesta segunda-feira, na volta das férias dos jogadores, pode acelerar o processo de fechamento da Gaviões da Fiel. O Ministério Público deve tomar uma atitude ainda neste ano sobre o recurso do promotor Fernando Capez - responsável pelas extinções da Mancha Verde (Palmeiras) e Independente (São Paulo). “Esta bagunça vai ser mais um fato a favor para se usar no processo”, avaliou Capez.

“A torcida (Gaviões da Fiel) já está processada, faltando apenas o Tribunal de Justiça determinar seu fechamento”. No julgamento, em primeira instância, o juiz não aceitou o pedido de fechamento da organizada. A promotoria recorreu, há dois anos, e aguarda uma nova data para o julgamento, prevista ainda para este ano.

Os torcedores que invadiram o clube, liderados pelo presidente da organizada, José Cláudio Moraes, o Dentinho, fizeram o Parque São Jorge parecer uma verdadeira praça de guerra. Motivo: insatisfeitos com a eliminação da Libertadores da América para o rival Palmeiras, os corintianos obrigam o time a conquistar o Campeonato Brasileiro e pedem a demissão do diretor de Futebol Carlos Nujud. Ofenderam atletas, jogaram um ovo no carro de Marcelinho e tentaram agredir Edílson. "O Nei (Carlos Nujud) não vai sair? Quero ver quem manda mais aqui dentro, ele ou nós (Gaviões)", gritava o Metaleiro.

Capez responsabilizou os seguranças do clube e a Polícia Militar (PM) pelos incidentes. "Foi um erro grave, uma falha primária, eles permitirem a aglomeração de torcedores." Acha também que "sem a permissão da entrada de torcedores, a confusão seria evitada; o clube deve preservar o seu patrimônio." A demora do julgamento da apelação, feita por Capez, deve-se pelo inúmeros processos que superlotam o Tribunal de Justiça.
Agência Estado

Volta

 

Copyright© 1996 - 2000 Terra Networks, S.A. Todos os direitos reservados. All rights reserved.